20 de novembro! Dia Nacional da Consciência Negra

Zumbi nasceu livre, mas morreu lutando pela liberdade. Houve um dia em que em Salvador parou por causa de uma greve dos escravos. O primeiro sistema de capitalização de que se tem notícia no Brasil foi montado por negros para a compra de alforrias. Negros entraram na Justiça contra senhores de escravos e alguns ganharam a ação.

Houve quilombo no Brasil inteiro. Não apenas os isolados, nas cidades. A maior concentração de negros fugidos no Rio ficava na área que é hoje a Lagoa Rodrigo de Freitas. A Camélia foi um código entre abolicionistas. Houve batalhas nas ruas. A História é muito mais rica, emocionante e forte do que os resumos que temos em mente. Parte do processo de valorização do negro no Brasil passa por abrir a cortina que encobre e simplifica o passado. Há historiadores fazendo isso para que o país se entenda melhor. E é inaceitável que o Brasil saiba tão pouco de tudo o que se passou nos primeiros séculos.

(Síntese do artigo de Miriam Leitão, Brasil abre a cortina do passado, in Revista A cor do Brasil, Centro de Articulação de Populações Marginalizadas (CEAP), 2006, págs 7 a 11).

“Foi extensa a luta pela Abolição. Há diversos registros de historiadores mostrando como se lutou nas ruas por liberdade, em comícios, manifestações e revoltas. Não foi um movimento palaciano, foi uma vasta conspiração que tinha até símbolo e senha: a camélia”.

“Meu primeiro ato foi em 1930, quando se criou a Frente Negra, em número e influência o mais forte movimento que os negros já formaram no Brasil”.

Abdias Nascimento

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This