Correspondente do Sínodo: confira artigo de dom Vilsom Basso

Concluindo a segunda parte da XV Assembleia Geral do Sínodo dos Bispos, que acontece em Roma, até o dia 28 de outubro, o bispo de Imperatriz (MA) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Vilsom Basso, escreve um novo artigo apresentando as discussões e temáticas neste encontro cujo tema é “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”.

Confira:

INTEREPRETAR: A FÉ E O DISCERNIMENO VOCACIONAL

 

No primeiro artigo sobre o sínodo falamos sobre: a igreja à escuta da realidade

Terminamos a segunda parte do sínodo. Nesta semana aprofundamos o segundo capítulo do Instrumentum Laboris com os temas: a bênção da juventude, a vocação à luz da fé, o dinamismo do discernimento vocacional e a arte de acompanhar.

Tudo começou com as orientações metodológicas e síntese do Secretário Geral, Dom Lourenço Baldisseri, e do Relator Geral, Cardeal Dom Sergio da Rocha.

Passamos para as prepositio e interventi liberi onde em torno de cem participantes do sínodo fizeram uso da palavra. Dois dias completos na Congregação Geral, na sala do sínodo.

Os três minutos de silêncio após cinco intervenções dos padres sinodais é novidade deste sínodo, que tem sido muito elogiada, por permitir a prece, reflexão e síntese.

Depois, dois dias nos circoli minori (círculos menores). O tempo maior de trabalho em grupos menores, depois de cada uma das partes, mais tempo para, com calma, poder aprofundar melhor os diferentes temas a serem refletidos e propor acréscimos ou mudanças.

Acentuou-se a bênção que a juventude é, na igreja e na sociedade, portadora de esperança, que antecipa a novidade, as tendências.

Destacou-se a importância das figuras bíblicas jovens, mulheres e homens, e como instrumentos de Deus na história do povo, num caminho de fé e discernimento.

Textos como os discípulos de Emaús, do filho da viúva de Naim, da samaritana, do “vinde e vede”, do bom samaritano foram apresentados como luz para o discernimento e para o próprio instrumentum laboris.

As vocações vistas como “vocations of being, na dimensão do ser, e “vocations of doing, na dimensão do fazer surgiu de grupos, em diferentes maneiras.

Pessoalmente, depois de ouvirmos tanto sobre a dor e o sofrimento da juventude em diferentes partes do mundo, destaquei duas vocações na linha do fazer: A vocação para a solidariedade, do cuidado com os pobres, com os drogados e os que buscam o suicídio, parafraseando Mateus 25, 31-46: “eu tive fome e deste de comer, estava na rua drogado e você me estendeu a mão, estava no alto da ponte para me suicidar e você me chamou pelo nome…”. E a vocação do cuidado da casa comum: os jovens tem uma grande sensibilidade ecológica, e, eles e nós, somos chamados a viver a experiência da mística do “quanto menos tanto mais”, numa vida de despojamento, contra o consumismo e o descarte, menos lixo, cuidado com a Casa Comum (Laudato Si 209, 222 e 223).

Parte bonita é a que trata das qualidades do que acompanha os jovens em seu discernimento vocacional, visto como a arte de acompanhar. As qualidades vêm das falas dos jovens durante a reunião pré-sinodal, de março deste ano: buscar constantemente a santidade, consciente de seus limites, escutar, não julgar… mas cuidar, responder com gentileza, ser profundamente amoroso, caminhar juntos e deixar e deixar os jovens serem participantes ativos desta viagem. Um guia que deve cultivar a semente da fé nos jovens. Estas entre tantas outras.

Os padres sinodais do Brasil, dom Jaime, dom Gilson e dom Eduardo, já fizemos nossas prepositio e também falas livres, com temáticas como vocação e profissão, maturidade, o que a paróquia deve oferecer aos jovens, projeto de vida, formação integral, opção preferencial pelos jovens, formação integral, afetividade e sexualidade, experiências missionárias juvenis.

Foram apresentados 200 modos ao segundo capítulo do instrumentum laboris, duzentas propostas aprovadas nos 14 grupos linguísticos.

Depois na plenária foram lidas as sínteses dos círculos menores.

Agora já estamos na terceira e última parte do sínodo. Assunto do próximo artigo.

Que o Espírito Santo continue a nos guiar e que deste sínodo saiam propostas concretas nesta bela temática: os jovens a fé e o discernimento vocacional.

Rezemos pelo papa, pelo sínodo, pelos jovens.

 

Dom Vilsom Basso, SCJ
Bispo de Imperatriz – MA
Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude

Share This