5° Encontro Nacional sobre a Missão Continental reflete sobre a abertura dos 50 anos do Decreto Ad Gentes

“Celebrando a abertura do cinquentenário do Decreto Ad Gentes: o caminho seminal do documento sobre a missão do Concílio Vaticano II à proposta da Nova Evangelização e os novos desafios da missão ad gentes”. Com este tema, cerca de 20 pessoas de várias partes do país participaram do 5º Encontro Nacional sobre a Missão Continental, cuja proposta foi refletir sobre as implicações do decreto do Concílio Vaticano II a respeito da atividade missionária para a caminhada da Igreja latino-americana.

 O evento, promovido pelo Centro Cultural Missionário (CCM) em parceria com a Comissão Episcopal para a Missão Continental da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), foi realizado em Brasília, entre os dias 10 e 14 de novembro.

O secretário executivo do CCM, padre Estêvão Raschietti, fez uma ampla reflexão sobre o Decreto Ad gentes, a partir da contextualização histórica do documento. O sacerdote aprofundou particularmente os princípios doutrinais do decreto e a novidade da visão missiológica subjacente para, depois, apresentar de forma específica as atividades missionárias e a cooperação entre as Igrejas.

O assessor da Comissão Episcopal para a Missão Continental, padre Sidnei Dornelas, focou na Nova Evangelização e na Missão Continental, sempre a partir do decreto. Segundo ele, “na celebração dos 50 anos da realização do Concilio Vaticano II, entre tantos documentos de importância fundamental para a caminhada da Igreja, não se pode esquecer o Decreto Ad Gentes. Padre Sidnei explica que “o Ad Gentes é a expressão da novidade da Igreja sobre a missão e que esta não é uma pastoral ao lado das outras, ou simplesmente a expansão e a implantação das Igrejas no meio dos povos não cristãos. A Igreja itinerante é missionária por natureza, porque nasce da Missão de Deus: o Pai que envia o Filho no Espírito Santo”.

Há mais de vinte anos no Brasil, o padre verbita indiano, Joachim Andrade, falou sobre os desafios atuais e as perspectivas da missão ad gentes. Em sua opinião, diante de um mundo secularizado e pluricultural, marcado pelo individualismo, pelo fundamentalismo e pela crise das relações, a missão ad gentes é o movimento que chama a ir ao encontro do outro. “Para isso é preciso saber deixar a minha realidade e saber chegar na realidade do outro. É algo de muito profundo que mexe com toda a existência. Nessa saída, acontece um diálogo profético: a missão se realiza na reciprocidade”, afirma.  Para Andrade, a mensagem e a orientação do papa Francisco vão nessa direção.

Com informações do CCM

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This