Ação de graças

A recente comemoração da independência de nossa Pátria é ocasião propícia para agradecermos a Deus os muitos benefícios com que enriqueceu nosso país. Não se quer, com isto, negar as mazelas de que ainda sofremos e os defeitos que devemos corrigir. Mas a data nos leva ao agradecimento pelo que o Senhor nos tem dado generosamente. A Bíblia nos ensina a sermos agradecidos e a louvar a Deus pela riqueza dos seus dons.

O Evangelho de Lucas, por exemplo, vem marcado com o sentido do louvor e de agradecimento. Já nas primeiras paginas encontramos quatro cantos de ação de graças: o cântico de Maria na casa de Isabel, engrandecendo o Senhor; o de Zacarias a bendizer o Deus de Israel; o cântico dos anjos, que povoam os céus de Belém, na noite de Natal; e a gratidão do velho Simeão, cujos olhos apagados ainda puderam contemplar a face do Menino de suas esperanças.

O vocabulário que São Lucas usa é rico: Maria engrandece o Senhor; Zacarias bendiz; os anjos cantam na noite de Belém; os pastores glorificam e louvam. Os motivos são muitos: a santidade de Deus, a misericórdia, a paz e a alegria dos corações, a força do braço divino, a fidelidade de Israel.

O cristianismo é alegria de quem louva, com o coração dilatado, as grandezas divinas e as misericórdias do Senhor. É paz, é luz e esperança, mesmo quando os mistérios da morte parecem obnubilar as claridades da vida. Mesmo quando nos contrista a contingência inevitável da separação definitiva, a Igreja nos consola com a certeza da imortalidade.

Neste momento convém lembrar o prólogo cantante da carta aos Efésios, em que São Paulo louva a Deus por nos ter escolhido para sermos santos e filhos adotivos e assim nos tornamos “o louvor de sua glória”.

Este espírito de louvor agradecido a Deus, que pontilha cada página da Bíblia, pode e deve ser, nesta comemoração da data máxima do Brasil, amoroso convite a darmos graças aos céus por tudo com que fomos ricamente abençoados no nosso país.

Não que sejamos uma nação sem defeitos e um povo totalmente realizado e feliz. Pelo contrário: são muitas as tristezas que ainda temos de chorar. Mas este é o momento para recordarmos a liberalidade com que Deus nos tem beneficiado e um forte estímulo para corrigirmos, na vida política e social, as deficiências e defeitos que ainda pesam sobre nós. Que Deus abençoe o Brasil!

Dom Benedicto de Ulhôa Vieira

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This