Alea Iacta Est

“Alea iacta est”. “A sorte está lançada”.

A frase famosa  é de Júlio César, ao atravessar o Rubicão. Ela retrata uma das passagens marcantes do império romano. Mas pode se aplicar também ao momento político que vivemos, com o início da propaganda eleitoral gratuita. A sorte já está lançada.  Pouca diferença vai produzir a campanha gratuita por  rádio e televisão.

Como era proibido a um chefe militar chegar em Roma com suas tropas, ao atravessar o Rubicão Júlio César já sabia que sua fama de vencedor teria mais peso do que as precauções republicanas do Senado Romano. Ele tinha acabado de conquistar a Gália. Ele confiava na força política desta façanha militar. Sua fama tinha crescido entre o povo, que costumava aclamar os vencedores. Mas tinha suscitado também a oposição do Senado, que não desejava ver seu poder político diminuído com a chegada de um general vitorioso.

Pesava muito mais a façanha já feita, do que os cuidados pela legalidade republicana.

Olhando o panorama eleitoral, constata-se que ele já está propriamente definido, e não sofrerá grandes transformações. As atenções se voltam, quase exclusivamente, à eleição presidencial, onde despontam três candidatos. Algum destaque é dado a raras disputas para o senado. As eleições majoritárias despertam muito mais  a atenção dos eleitores. A fascínio pelos vencedores ainda continua, desde os tempos do império romano.

Os milhares de candidatos à Câmara Federal e às assembléias legislativas, estes sim, percebem que sua sorte ainda vai depender de quantos eleitores conseguirão amealhar  para suas candidaturas.  Mas eles se parecem a um bando de pombas catando os grãos que caem à beira do caminho, depois que a caravana principal já passou.

Esta a situação política que vivemos no Brasil. Ela carrega um peso enorme de fatalidade, que vai repetindo o mesmo panorama, que é decidido por forças alheias á dinâmica propriamente política, que estaria baseada no poder, na liberdade e no discernimento dos eleitores.

Como o poder que Júlio César experimentava por ter conquistado a Gália, existem no Brasil poderes que se fazem valer no tempo das eleições, e que definem muito mais o resultado eleitoral do que a consciência livre dos cidadãos.

Mas isto não tira o valor democrático, e pedagógico, das eleições. Elas continuam sendo o melhor instrumento para estimular e captar a responsabilidade política dos eleitores.  Por ocasião das eleições nos damos conta de como o processo político poderia ser modificado, para que expressasse melhor o empenho constante dos cidadãos em constatar necessidades, identificar problemas, e criar consensos para resolvê-los.

Existem desafios políticos muito grandes para pensarmos a administração de um país com tamanho continental como o nosso. Precisaríamos definir com muito mais clareza e convicção o projeto de país que queremos, para implementá-lo através da participação permanente dos cidadãos, e não somente por delegação a representantes do povo, mesmo que esta continue sempre sendo válida e necessária. Mas ela não pode nunca significar uma abdicação do poder popular direto.

Mas para isto é preciso garantir um processo adequado, definido e votado antes que os interesses eleitorais entrem em jogo. E´  por isto que uma reforma política verdadeira só é viável no início de mandato.

O desafio para o próximo governo é promover, logo no seu início, uma verdadeira reforma política, que garanta e estimule a participação do povo na definição dos seus destinos. Uma façanha maior do que aquelas que rendem os votos para os vencedores desta eleição.

Dom Luiz Demétrio Valentini

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This