Aloisio e José Ivo: dinamização das conferências do Celam e direcionamento da CF

De fevereiro de 1971 a abril de 1974, foi presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) dom Aloísio Lorscheider e o secretariado geral esteve por conta de José Ivo Lorscheiter. Em dois mandatos consecutivos, os prelados que eram primos foram responsáveis por dinamizar as indicações da II Conferência do Episcopado Latino Americano. No mesmo período, foi marcante a atenção dada pela Campanha da Fraternidade à realidade social do povo brasileiro.

Então secretário-geral da CNBB, o bispo de Santo Ângelo (RS), dom Aloísio Lorscheider, foi eleito presidente durante a 12ª Conferência da CNBB, realizada em Belo Horizonte (MG). Na ocasião, foi tratado o regimento interno e estatuto civil da Conferência, além das eleições gerais para a renovação de todos os cargos. Os bispos também elegeram o secretário-geral: o dom José Ivo Lorscheiter, bispo de Santa Maria (RS).

Durante os dois mandatos, as assembleias da CNBB trataram de temas como “Teologia e prática da dimensão comunitária da Igreja particular”, “Diretrizes Pastorais da Igreja no Brasil”, “Exigências cristãs de uma ordem política e regiões missionárias no Brasil” e “Evangelização no presente e no futuro da América Latina”.

No último ano do segundo mandato, o tema central da 17ª Assembleia Geral da CNBB, além da eleição geral, tratou das conclusões da III Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano, realizada em Puebla. O encontro teve como fruto reflexões sobre desigualdade e injustiça, caminhos para evangelização na América Latina, a indicação da opção preferencial pelos pobres e pela promoção humana.

Campanha da Fraternidade
No mesmo sentido de assumir as decisões das conferências do Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam), as Campanhas da Fraternidade a partir de 1973 até 1984 voltaram-se para a realidade social do povo, a denúncia do pecado social e a promoção da justiça. Neste período a iniciativa da Igreja no Brasil passa por uma organização, adotando o método Ver-Julgar-Agir e o texto-base. Tal metodologia somente não foi usada nas Campanhas de 2000 e 2005, organizadas pelo Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (Conic).

Neste intervalo de tempo, a CF abordou temas como escravidão, solidariedade, família, trabalho, corresponsabilidade, doação, reconciliação e participação cristã na política.

Dom Aloísio Lorscheider

Na foto, dom Aloisio Lorscheider

Nascido no município de Estrela (RS), no dia 8 de outubro de 1924. Aos nove anos, ingressou no seminário franciscano de Taquari (RS), onde fez seus primeiros estudos. Mais tarde foi para o convento franciscano de Divinópolis (MG), onde estudou teologia e concluiu o curso de filosofia. Em agosto de 1948 foi ordenado sacerdote da Ordem dos Frades Menores de São Francisco. Retornou em seguida a Taquari, onde lecionou latim, alemão e matemática.

Em 1949 foi enviado para Roma por seus superiores, tendo feito o doutorado em teologia dogmática no Pontifício Ateneu Antonianum. De volta a Taquari, em 1952, foi mais tarde transferido para Divinópolis. No final de 1958 foi convidado para lecionar Teologia Dogmática no Antonianum, em Roma. Encontrava-se na Santa Sé quando, em fevereiro de 1962, foi nomeado bispo de Santo Ângelo (RS).

Dom Aloísio foi eleito secretário-geral da CNBB em 1968. Assim como dom Agnelo assumiu o cargo em um momento conturbado da vida política brasileira. No governo Médici, em 1969, com a intensificação da repressão, alguns sacerdotes foram presos por serem considerados ‘subversivos’, um deles era dom Aloísio.

Lorscheider ficou preso durante quatro horas. O ocorrido motivou a criação de um fórum para discussão de temas como censura e repressão. A atividade foi proposta pelo então secretariado geral da Seção Brasileira da Comissão Pontifícia Justiça e Paz, atualmente Comissão Brasileira de Justiça e Paz (CBJP).

Dom Aloísio foi arcebispo de Fortaleza (CE), de 1973 a 1995. Após sua nomeação para a capital cearense, foi criado cardeal, em 1976. Participou de dois conclaves e recebeu votos. De 1995 a 2004, foi arcebispo de Aparecida, onde reorganizou os trabalhos de construção do Santuário Nacional de Aparecida, dando começo à fase de acabamentos e incentivou o trabalho pastoral com os romeiros. Faleceu em 2007, em Porto Alegre (RS).

Dom José Ivo Lorscheiter

Foto: CNBB/CDI | Dom José Ivo Lorscheider foi secretário-geral e presidente da CNBB

Natural de São Sebastião do Caí (RS), nasceu em 7 de dezembro de 1927. Primo de dom Aloísio, estudou no Seminário Menor São José de Gravataí, no Central de São Leopoldo e ainda na Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma. Sua ordenação presbiteral foi em dezembro de 1952, na capital italiana. Dez anos mais tarde, recebeu o título de monsenhor pela Santa Sé. Participou do encerramento do Concílio Vaticano II, em 1965. Naquele ano, foi nomeado bispo auxiliar de Porto Alegre e titular de Tamada. Nos primeiros anos de episcopado, coordenou o regional Sul 3 da CNBB.

Em 1974, dom Ivo foi nomeado pelo papa Paulo VI bispo de Santa Maria. Dom Ivo destacou-se por suas críticas ao regime militar no Brasil e pela sua defesa dos direitos humanos. Em 1979, foi eleito presidente da CNBB.

Dom Ivo faleceu em Santa Maria, no dia 5 de março de 2007.

 

Share This