Rede Vida transmite ao vivo debate sobre usina de Belo Monte

Será transmitido hoje, pela Rede Vida de Televisão, às 10h, o debate proposto pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil a respeito da construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu, no Pará, com a participação do presidente a Empresa de Pesquisa Energética, do Ministério das Minas e Energias, Maurício Tolmasquim, e do diretor de licenciamento do Ibama, Pedro Alberto Bignelli. Confirmaram presença também o bispo do Xingu, dom Erwin Kräutler, e o pesquisador do Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP, Francisco Del Moral Hernandez.

Os espectadores poderão acompanhar a transmissão ao vivo. O projeto da hidrelétrica é considerado a maior obra do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do Governo federal. Na noite de ontem, 7, os principais concorrentes ao leilão para construção da usina, o consórcio formado pelas construtoras Camargo Corrêa e Odebrecht, desistiram do leilão, previsto para acontecer no próximo dia 20.

A decisão foi tomada após um estudo rigoroso das condições do edital e das respostas que a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) divulgou ontem a indagações feitas pelos técnicos das duas construtoras.

A Procuradoria da República em Belém (PA) anunciou também que vai entrar com uma ação civil pública pedindo a anulação da licença ambiental da futura hidrelétrica de Belo Monte. O órgão vai pedir à Justiça o cancelamento do leilão para a construção da instalação da usina.

Os procuradores anunciaram que vão notificar o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que será responsável por parte do financiamento da obra do potencial de ser considerado coautor de qualquer dano futuro provocado pela usina.

Argumentos como a falta de lei específica que regule a instalação de hidrelétricas em áreas indígenas e a falta de audiências públicas embasam a peça judicial.

A decisão de realizar do debate foi tomada na reunião do Conselho Episcopal de Pastoral da CNBB (Consep) no mês de fevereiro com o objetivo de envolver a sociedade nas discussões da obra. Na ocasião, o Conselho emitiu uma nota em que mostrava sua preocupação com a construção da usina por causa dos impactos ambientais e do desalojamento das famílias na região.

Os movimentos sociais, a Igreja e lideranças indígenas da região são contrárias à obra porque consideram que os impactos socioambientais não estão suficientemente dimensionados.

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This