CNLB se posiciona contra a redução da maioridade penal e apoia manifestações populares

O Conselho Nacional do Laicato do Brasil – CNLB manifestou publicamente por meio de notas contra a redução da maioridade penal e sobre as manifestações populares no país. A presidência do CNLB declarou que “assim como a CNBB, acreditamos que a redução da Maioridade Penal não elimina o contexto de violência e de morte que vivenciamos nos dias de hoje em nossa sociedade brasileira”. Sobre as manifestações, o Conselho do Laicato demonstrou apoio aos “movimentos populares que vêm ocorrendo em todos os recantos do país, excluindo, veementemente, toda e qualquer ação e reação de destruição e violência por parte de manifestantes e do Estado”.

Leia a notas na íntegra:

Moção contra a redução da maioridade penal

A XXXII Assembleia Geral Ordinária do CNLB realizada no Centro Nova Evangelização (CENE) em Cuiabá/MT, dos dias 30 de maio a 02 de junho de 2013 vem através de seus representantes se posicionar Contra a Redução da Maioridade Penal, pois somos leigos/as, cristãos/as, e temos em nossa essência batismal a defesa da vida em todas as circunstâncias. Acreditamos que crianças e adolescentes necessitam de uma ação concreta do Poder Público e da sociedade, para que tenham condições de se desenvolver integralmente como pessoa humana, tendo os direitos sociais efetivados de acordo com as necessidades deste grupo, principalmente nas políticas públicas de educação, saúde e assistência social.

Lembramos também que muitas dessas crianças e adolescentes estão em situação de risco, com alta vulnerabilidade social, desamparados pelas políticas públicas desde o inicio de suas vidas. Como anunciou o jovem Nazareno Jesus Cristo: “Eu vim para que todos tenham vida e a tenham em abundância” (João – 10,10), defendemos a vida digna e o pleno cumprimento dos direitos e deveres de crianças, adolescentes e jovens de nosso país.

“A campanha sistemática de vários meios de comunicação a favor da redução da maioridade penal violenta a imagem dos adolescentes esquecendo-se de que eles são também vítimas da realidade injusta em que vivem” (Brasília, 16/05/13 – CNBB).Assim como a CNBB, acreditamos que a redução da Maioridade Penal não elimina o contexto de violência e de morte que vivenciamos nos dias de hoje em nossa sociedade brasileira. Por isso nos posicionamos Contra a Redução da Maioridade Penal e a Favor da vida plena de nossas crianças, adolescentes e jovens, continuando firmes na luta pela vida.

Nota do CNLB sobre as manifestações populares

O Conselho Nacional do Laicato do Brasil – CNLB vem a público manifestar o reconhecimento e apoio às manifestações populares que vêm ocorrendo em todos os recantos do país, excluindo, veementemente, toda e qualquer ação e reação de destruição e violência por parte de manifestantes e do Estado.”A violência e a injustiça são, hoje, o sinal mais evidente do fracasso da nossa sociedade no plano ético.” ( CNBB 50, 117 ). Reconhecemos o que tem sido realizado pelas Administrações Públicas em todos os níveis, porém, é incontestável que grandes mudanças têm sido adiadas sem motivo e situações de injustiça e corrupção têm sido mantidas e reproduzidas em detrimento de políticas públicas inadiáveis. “A Democracia é aprendizado e conquista, dá trabalho e sofrimento, mas vale a pena!”. A “indignação ética” é própria da cidadania e sinaliza um crescimento de qualidade cívica da juventude e do povo brasileiro em geral.

Que os chamados “Poderes constituídos” não apenas respeitem e reconheçam a legitimidade das manifestações, mas “obedeçam” ao clamor que vem das ruas, da cidade e do campo. Que os Meios de Comunicação Social estejam a serviço do bem comum: “A sociedade tem direito a uma informação fundada sobre a verdade, a liberdade, a justiça e a solidariedade.”(Catecismo da Igreja Católica, 2494). Que a segurança seja garantida dentro dos princípios éticos. “A justiça sem a força é impotente; a força sem a justiça é tirânica. É preciso juntar a justiça e a força; para consegui-lo é preciso fazer com que o que é justo seja forte e o que é forte seja justo”. (Pascal). Conclamamos a todas e a todos a participarem, com verdadeiro espírito de cidadania, com coragem e disposição, deste momento histórico brasileiro, na perspectiva de uma Pátria livre, soberana, justa e solidária.

Brasília, 26 de junho de 2013.

MARILZA JOSÉ LOPES SCHUINA
PRESIDENTE DO CNLB

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This