Congregação reúne missionárias que atuam com migrantes

Evento acontece nesta semana, em Jundiaí

Cerca de 40 religiosas da Congregação das Irmãs Scalabrinianas estão reunidas de hoje, 29, a sábado, 3 de setembro, em Jundiaí (SP), para analisar e avaliar suas ações apostólicas em vista de “respostas mais eficientes e eficazes em tempos de migração mundial em massa”. O grupo fará reflexões sobre temas ligados à sua atuação no trabalho junto aos migrantes e refugiados.

De acordo com a animadora do trabalho missionário junto aos migrantes pela Província de São Paulo e uma das responsáveis pelo evento, irmã Janete Ferreira, “a Congregação das Missionárias de São Carlos, inspiradas pelo fundador, João Batista Scalabrini, tem como tarefa principal, defender a causa dos imigrantes e refugiados, preferencialmente os mais pobres e em situação de vulnerabilidade”. Esse trabalho, explica, “se concretiza por meio da Pastoral dos Migrantes, em diferentes formas, num empenho comum de evangelização profética”.

“Migrações Internacionais e refúgio: desafios recentes”; “Integração dos migrantes na comunidade de acolhida”; “Incidência e trabalho em rede em defesa dos Direitos Humanos”; “O migrante como lugar teológico da missão scalabriniana” são os temas que serão abordados no evento.

Membro do Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios (CSEM) e diretor da Revista de Mobilidade Humana (REMHU), o professor Roberto Marinucci, destaca à Congregação das Missionárias Scalabrinianas o desafio diante da “dramática situação de milhões de seres humanos que fogem de conflitos bélicos, violações generalizadas de direitos humanos e condições degradantes de vida”. Para o estudioso, no atual contexto, “é fundamental ter plena consciência das causas planetárias e locais, coletivas e individuais, que estão na origem desses acontecimentos, a fim de desencadear respostas sociopastorais eficazes e coerentes, com vistas à construção de um mundo mais justo e humano, onde ninguém é estrangeiro”.

Migrações atuais no Brasil

De acordo com informações da Congregação, o Brasil tem sido “porto seguro” de milhares de haitianos que deixaram seu lugar de origem, principalmente por causa do terremoto de 2010 que assolou o país, bem como de sírios, por causa das guerras, e de países da África e Ásia por conflitos políticos e civis.

Segundo o Comitê Nacional para os Refugiados (Conare), o Brasil possui atualmente, com os dados de abril de 2016, 8.863 refugiados reconhecidos, de 79 nacionalidades distintas. A contagem é de que 28,2% deles são mulheres. Os principais grupos são compostos por nacionais da Síria (2.298), Angola (1.420), Colômbia (1.100), República Democrática do Congo (968) e Palestina (376).

Outra realidade presente na conjuntura migratória e no trabalho pastoral desenvolvido pelas missionárias scalabrinianas são os conflitos marcados pelo pré-conceito, a xenofobia, as condições de vida precária, o desemprego, o tráfico de pessoas.

Durante a semana de reflexões, também haverá visita à missão Scalabriniana, em São Paulo (SP), encontro com as Irmãs da missão e com os migrantes, além de momento cultural com grupos de migrantes.

Com informações e foto da Imprensa Scalabriniana

 

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This