Congressos Eucarísticos

A Igreja do Brasil está celebrando, neste final de semana, mais um Congresso Eucarístico. É o décimo sexto da história. Desta vez é em Brasília, e foi precedido pela assembléia anual da CNBB, também realizada em Brasília, com a evidente intenção de juntar um evento a outro.

Mas é claro que o motivo da escolha da capital federal se liga à celebração dos 50 anos de Brasília. Os episódios ligados à constatação do esquema de corrupção envolvendo o governador do Distrito Federal, deixou a cidade a descoberto, com um vácuo político constrangedor, inibindo as naturais expressões de festa, ficando assim empanadas as celebrações oficiais do jubileu da cidade.

Assim, a Igreja, que tinha deixado ao governo o espaço privilegiado para celebrar a festa de Brasília em abril, postergando sua celebração para o mês de maio, agora ela se apercebe que acaba incumbida de garantir ao menos uma comemoração expressiva, sobretudo através do Congresso Eucarístico, que é um evento propício para participação multitudinária, como convém para as circunstâncias.

Esta a incumbência deste Congresso Eucarístico. Para muitos brasilienses, será a oportunidade de lavar a alma, deixando de lado as notícias sobre os desmandos de políticos que comprometeram o nome de Brasília.

A história dos congressos eucarísticos, mostra que sempre eles expressaram a identificação forte e arraigada que o povo brasileiro percebe entre a realidade do País e a presença da Igreja Católica. De tal modo que os congressos eucarísticos sempre foram oportunidade para as cidades sedes mostrarem suas qualidades e suas características, em salutar emulação que estimula a auto estima de cada capital, estado ou comunidade.

De todos os congressos eucarísticos já realizados no Brasil, destaca-se por sua importância e por sua repercussão aquele realizado em 1955, no Rio de Janeiro. Daquela vez era um congresso internacional, o trigésimo quinto da história. Serviu para divulgar ao mundo as belezas da cidade, que aproveitou a oportunidade para fazer o aterro do Flamengo, que a partir de então integrou à cidade o vasto espaço criado para ser a esplanada do congresso.

Foi a oportunidade para D. Helder, jovem bispo auxiliar, também revelar seu talento e sua liderança. Naquela época em que ainda não havia comunicação via satélite, o rádio era ainda o grande meio de comunicação, e para o Congresso Eucarístico do Rio, em 1955, a grande expectativa foi aguardar o discurso do Papa Pio XII, em português, transmitido diretamente do Vaticano!
Outro congresso que evidenciou o momento em que S. Paulo começava a despontar como futura megalópole, foi o Congresso Eucarístico de 1942. O arcebispo que o organizou veio a falecer pouco depois num acidente aéreo entre Rio e São Paulo.

Outros congressos também serviram para projetar as cidades onde se realizaram. Em 1948 foi em Porto Alegre, em 75 foi em Manaus, do qual a Igreja guarda uma recordação especial pela oração eucarística feita especialmente para o congresso, e que depois foi integrada no missal usado no Brasil.

O Congresso de Fortaleza, em 1980, serviu de pretexto para o Papa João Paulo II visitar o Brasil pela primeiro vez, como o congresso de Natal, em 1995, que também contou com a presença de João Paulo II, em sua segunda visita.

E assim os congressos mais recentes, realizados em Vitória, em Campinas e em Florianópolis.

Todos deixaram marcas positivas para as cidades que os acolheram. Será que este congresso de Brasília conseguirá reverter o clima de decepção política e de pessimismo, que envolveu a cidade com os recentes escândalos do dinheiro nas meias e nas bolsas.

Dom Luiz Demétrio Valentini

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This