Depois disso viremos a página

O tal assunto está se esgotando. Nas últimas semanas encheram–se páginas sem fim contra o clero católico. Alguém ouviu uma única acusação contra médiuns espíritas, contra pastores evangélicos, ou contra líderes religiosos muçulmanos? E não foi, certamente, por falta de possibilidades. Daí se vê que há órgãos de imprensa que informam. E há outros que fazem campanhas. Há profissionais que, estão, não a serviço da informação, mas a serviço de alguém. O Cabrini deve explicar para quem ele está trabalhando. Diante desse universo vi dois quadros, que me chamaram a atenção.

O primeiro foi o dos Sacerdotes, sofrendo calados, as injúrias e chacotas, provindas da generalização. Os Padres todos pagam pela má fama de alguns colegas. Tornou-se tão fácil humilhar o clero. Mas me doeu muito ver dentre os próprios Presbíteros alguns “avançar contra uma pessoa, como se fosse um muro prestes a cair” (Sl 62, 4). Jogaram pedras contra todos os colegas, como se fossem um depósito de desequilibrados. Não consigo discernir se tal posição provém de uma experiência pessoal negativa, ou se vem de experiências alheias. Ainda mais, deram volume máximo à voz de um teólogo mirim da Suissa, duro coração possuído de ódio anti-romano. Ele não estaria na lista dos maus pais de família, cujos  filhos “pedem pão, e ele lhes dá uma pedra”? (Mt 7, 9). Essa sua prática já vem de mais de quarenta anos. Essa voz deve ser ouvida?  “Minhas ovelhas ouvem a minha voz” (Jo 10, 27).

O segundo quadro que me chamou a atenção foi o de muitos fiéis leigos. Compareci em várias comunidades, e durante reuniões houve espontâneas manifestações de solidariedade a mim, pela evidente  perseguição à Igreja. E o que achei mais maravilhoso, expressaram sua confiança no seu sacerdote, homem que eles admiram. Consideram-no como um exemplo raro de pessoa que é capaz de dar a sua vida em benefício do seu semelhante. “Maria ungiu, com nardo puro, os pés de Jesus”  (Jo 12, 3). Essas suas palavras foram para mim como um bálsamo.

Dom Aloísio Roque Oppermann

Artigos similares

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This