Diocese de Picos promove o Fórum Diocesano sobre Gestão de Riscos

A diocese de Picos (PI) reuniu na manhã de quarta, 9, representantes de 42 municípios durante o 1º Fórum Diocesano sobre Gestão de Riscos no Semiárido Centro Sul do Piauí, para tratar da problemática da seca que assola famílias piauienses.

O evento foi uma iniciativa do bispo de Picos, dom Plínio José, e contou com o apoio dos padres, ecoando pelas paróquias e áreas pastorais, que realizaram este fórum em nível paroquial, oportunidade para produzir um levantamento sobre a situação das comunidades, tendo em vista a ausência de chuva, e apontando medidas que venham facilitar a vida da população.

forumdiocesanosobreaseca2Na oportunidade, dom Plínio José apresentou as preocupações da Igreja do Piauí sobre as consequências decorrentes da seca, como a desarticulação e desintegração da família, a migração forçada dos pais e filhos para outros estados em busca de novas fontes de renda, facilitação para o tráfico de seres humanos e o trabalho escravo.

O fórum contou com a presença de prefeitos, vereadores e secretários de diversos municípios que integram a diocese de Picos, além de representantes dos sindicatos rurais dos trabalhadores, associações comunitárias e órgãos públicos cujas atividades são voltadas para agricultura, agropecuária, geração de renda, desenvolvimento social e econômico, como a Agência de Defesa Agropecuária do Piauí (ADAPI), EMATER, Federação dos Trabalhadores na Agricultura (FETAG), Associação dos Engenheiros Agrônomos (AEA), Defesa Civil, Cáritas Diocesana e Regional.

Antônio José, Voluntário da Cáritas e Engenheiro Agrônomo especialista em Produção Vegetal, falou da importância de se saber conviver com a seca, atentando para utilização ecológica dos escassos recursos hídricos disponíveis. Na oportunidade apresentou dados sobre a extensão territorial do semiárido piauiense, que corresponde a 62,1% do estado, com precipitações pluviométricas que variam entre 400 mm a 1000 mm, temperaturas médias entre 24° e 39°, e com forte evaporação potencial da água, que chega a 2.000 mm por ano.

Representantes de todas as paróquias partilharam o diagnóstico construído durante os fóruns paroquiais sobre a seca, denotando uma realidade com grandes semelhanças nos municípios, como a perda da produção agrícola, prejuízos com a morte dos animais ou venda com valores abaixo do mercado, situações emergenciais como a ausência de água para o consumo humano em diversas comunidades, trabalhadores e famílias desesperados, pois sobrevivem da agricultura familiar, cuja produção teve perda total na maioria dos municípios.

Os gestores públicos apresentaram ações já desenvolvidas para amenizar a situação e as que ainda serão colocadas em prática, mas foram enfáticos quanto à necessidade de políticas públicas que resolvam esta problemática, oferecendo condições dignas de sobrevivência durante as estiagens prolongadas, e não paliativos para os períodos sem chuva.

Do Fórum será produzido um documento com o diagnóstico da realidade enfrentada pelos piauienses nesta seca, e encaminhado às autoridades competentes em busca de resoluções para os problemas.

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This