Dom Maurício Grotto escreve mensagem em comemoração a Semana do Migrante

Celebrando a Semana do Migrante (de 13 a 20 de junho), que completa 25 anos de atividade, o bispo responsável pela Pastoral da Mobilidade Humana, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Maurício Grotto de Camargo, escreveu uma mensagem às comunidades, paróquias e dioceses, tentando chamar a atenção para a realidade dos que “vão e vem, dos que partem e chegam”.

Leia abaixo a mensagem de dom Maurício Grotto:

Da Semana do Migrante à Campanha da Fraternidade

Por uma economia a serviço da vida e por migrações com dignidade

A Semana do Migrante 2010, de 13 a 20 de junho, está fazendo Jubileu de Prata: 25 anos de heróico esforço para entrar na agenda pastoral das comunidades, paróquias e dioceses; tentando chamar a atenção para a realidade dos que vão e vem, dos que partem e chegam; pesquisando e trabalhando as causas e conseqüências de uma migração muitas vezes cercada de angústias, injustiças e tragédias como acontecem principalmente com as vítimas do tráfico de seres humanos para exploração sexual e trabalho escravo de todo tipo.

Por trás e para além da Semana do Migrante está o Serviço Pastoral dos Migrantes – SPM, também completando 25 anos de existência profética e persistência no amparo e apoio a todo tipo de migrante, sobretudo os mais pobres e desamparados.

A Semana do Migrante retoma o tema da Campanha da Fraternidade de cada ano e procura aplicá-lo (ver-julgar-agir) à realidade vivida pelos migrantes, itinerantes e refugiados. De fato, esta realidade constitui um fenômeno cada vez mais complexo do ponto de vista social, cultural, político, religioso econômico e pastoral. “[…]Milhões de pessoas migram, ou se vêem forçadas a migrar dentro e fora de seus respectivos países. As causas são diversas e estão relacionadas com a situação econômica, as várias formas de violência, a pobreza que afeta as pessoas e a falta de oportunidades para pesquisa e o desenvolvimento profissional.[…] A exploração do trabalho chega, em alguns casos, a gerar condições de verdadeira escravidão. Acontece também um vergonhoso tráfico de pessoas, que inclui a prostituição, inclusive de menores.[…]” (Cf. Documento de Aparecida n. 73).

Ano após ano, a Campanha da Fraternidade tem estado presente na Semana do Migrante. Penso que é chegado o momento do mundo do migrante se fazer presente numa Campanha da Fraternidade. É preciso reconhecer que poucas paróquias e/ou dioceses realizam a Semana do Migrante. Mesmo que todas a promovessem, uma Semana dedicada ao Migrante é muito pouco. É chegada a hora de uma CF inteira, toda voltada para o vasto e complexo mundo da mobilidade humana.

Dom Maurício Grotto de Camargo
Responsável pelo Setor Pastorais da Mobilidade Humana da CNBB

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This