A encarnação do Verbo e o homem novo em Cristo

Dom Vital Corbellini
Bispo de Marabá (PA)

 

A encarnação do Verbo, ponto essencial da pregação refletida nesses dias, ajude-nos a perceber o significado da entrada de Deus como a recriação do ser humano em Cristo Jesus. A oração da coleta do dia de Natal coloca claramente isso, porque se Deus nos criou de uma forma admirável, mais admiravelmente restabeleceu a nossa dignidade de ser humano, de filhos e de filhas de Deus.

A encarnação e o mistério do ser humano.

A Gaudium et Spes (GS, n. 27) coloca a importância do mistério do Verbo encarnado como um esclarecimento do mistério em relação ao homem. Adão era figura daquele que viria no futuro, isto é Cristo Senhor. Ora, Jesus Cristo, o novo Adão, na própria revelação do Mistério do Pai e do seu amor, revela o homem a si mesmo, e, impulsiona a sua vocação, para a sublimidade. Por isso todas as verdades, promessas em relação a Cristo Jesus encontram n’Ele, a sua fonte e plenitude.

Jesus Cristo é a imagem de Deus invisível (Cl 1,15) de modo que Ele é o homem perfeito, que restituiu aos filhos de Adão a semelhança divina, que estava deformada pelo primeiro pecado, da desobediência. Por isso a nossa natureza foi assumida pelo Cristo, de modo que ela foi elevada à sublimidade, à divindade.

O valor da encarnação.

A encarnação do Verbo, de Jesus Cristo fez a união a cada homem, a cada ser humano. Por isso, Ele trabalhou com mãos humanas, pensou com uma inteligência humana, agiu com uma vontade humana e amou com um coração humano. Isso é bonito, porque Ele nasceu da Virgem Maria, se tornou igual a nós em tudo, exceto no pecado.

Cordeiro inocente

Ele foi o Cordeiro inocente que lavou os pecados de todas as pessoas, com o seu sacrifício dado uma vez por todos e para todos. Nele Deus nos reconciliou consigo e uns com os outros, arrancando-nos da escravidão do demônio e do pecado. Sofrendo por nós fez com que nós o sigamos nos seus passos, abrindo um novo caminho, para que a vida e a morte sejam santificadas e recebam um novo sentido.

Imagem do Filho

O cristão, sendo imagem do Filho que é o primogênito entre a multidão dos irmãos, recebe as primícias do Espírito (Rm 8,23) que o tornam capaz de cumprir a lei nova do amor. Se é verdade que o cristão deve lutar contra o mal através de muitas tribulações e sofrer a morte, no entanto associado ao mistério pascal do Senhor Jesus, configurado à morte de Cristo, vai ao encontro da ressurreição, fortalecido pela esperança. O documento conciliar fala dessas coisas não só para os cristãos, mas para todas as pessoas de boa vontade, em cujos corações a graça de Deus opera de uma forma oculta. Em Cristo Jesus, o mistério do ser humano encontra valor, paz e amor, porque Ele se tornou um de nós, menos no pecado.

O Verbo de Deus salva a todos

O Verbo de Deus fez-se homem para a todos salvar e tudo recapitular. A GS 45 fala do Cristo como Alfa e Ômega, o princípio e o fim de todas as coisas. O Senhor Jesus é o fim da história humana, ponto culminante das aspirações e da civilização, o centro do gênero humano, a alegria de todos os corações, a plenitude de seus desejos. O Pai o ressuscitou dos mortos, colocando-o à sua direita e estabeleceu-o como juiz dos vivos e dos mortos. O Senhor mesmo diz: Eis que venho em breve, trazendo comigo a minha recompensa, para dar a cada um segundo as suas obras. Eu sou o alfa e o ômega, o primeiro e o último, o começo e o fim (Ap 22,12-13).

Conclusão

Podemos dizer como conseqüência da encarnação é que Deus se fez carne afim de que o nosso ser fosse divinizado. Ele se fez homem para que nós nos tornássemos divinos. Assim dizia Santo Atanásio. Com a encarnação nós nos tornamos divinos. A história ganha um valor infinito. A salvação acontece nesta história, e não fora dela. É dentro de uma comunidade que eu vou me salvar sim ou não. Por isso continuamos a encarnação do Verbo através de nossos pensamentos, palavras, ações, lutas pelo amor, porque o Senhor conta conosco para a família, a comunidade e a sociedade.

Share This