Eleições outra vez

A sociedade brasileira vive indignada com a falta de ética que tem acontecido na política. Nas eleições experimentamos uma verdadeira corrupção eleitoral. É necessária uma nova consciência política, levando em conta o lema que tem sido muito citado nos últimos tempos no Brasil: “Voto não tem preço, tem consequências”.

Em outubro próximo vamos votar mais uma vez. Teremos que escolher o novo Presidente da República, os Governadores, os Senadores e os Deputados Federais e Estaduais. É momento de desafio porque os candidatos nem sempre são confiáveis. É hora de usar a Lei do querer popular e sancionada pelo Presidente da República no dia 4 de junho, a da “Ficha Limpa”.

Sempre dizemos que o futuro do nosso país está em nossas mãos. Isto é verdade quando lutamos pelo voto autêntico e por políticas públicas. A corrupção eleitoral não é culpa só dos nossos políticos. Ela está enraizada na mentalidade do nosso povo. Não somos bem educados para a cidadania. Basta saber que muitos acham normal a troca de voto por algum favor pessoal.

O caminho é formar eleitores com perfil ético e candidatos com verdadeira motivação para o bem comum. Temos que levar em conta que a política é tudo aquilo que interessa a todos nós, o cuidado com as coisas públicas, a defesa dos direitos e deveres, o compromisso com a vida e o bem da comunidade.

É importante saber que política não significa apenas eleições, mandatos, partidos e governo. Tudo o que fazemos tem uma conotação política, seja para o bem ou para o mal. O problema é a “politicagem”, que abusa da ordem política, prejudicando o bem comum. Não participar da política é favorecer a politicagem e promover os politiqueiros. Dizer não gostar de política é favorecer o politiqueiro.

O bom cidadão procura entender o processo político. Ele discute os problemas, lê jornais, ouve os noticiários e procura formar a sua opinião, não se deixando levar pelas maldades da mídia. Em política não existe neutralidade, porque tudo passa por decisões políticas. O voto é participar de um poder político. Não votar ou votar em branco é um crime contra a cidadania.

A corrupção eleitoral tem aumentado muito. Temos agora duas armas importantes: a Lei 9840 e a Lei da Ficha Limpa. Cada eleitor precisa se conscientizar para utilizar bem esses instrumentos, não deixando que a politicagem abafe a verdadeira política, ocasionando uma gestão com critérios irresponsáveis.

Vemos muitos interesses pessoais e de seus grupos. É preciso votar em quem defende os interesses do Estado e do País. Só assim teremos uma Nação mais livre, mais democrática e autônoma. A consequência será o bem de todos e maior autonomia de cada cidadão.

Dom Paulo Mendes Peixoto

Artigos similares

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This