Em Busca a Unidade Perdida

Na semana precedente a Pentecostes, católicos e evangélicos de várias Igrejas se reúnem para  suplicar ao Espírito Santo o dom da unidade, buscando a reconstrução da comum-união perdida nos caminhos da história. O principal elemento que os impulsiona é a missão. O Senhor chamou discípulos e os enviou a evangelizar. Este é um compromisso do qual todas as Igrejas cristãs têm consciência e por ele se empenham.

Evangelizar é anunciar Jesus Cristo, Palavra Viva do Pai, Verbo encarnado para a salvação do mundo. Neste propósito, todos se lançam, certamente com métodos diferentes, mas com convicção da autenticidade de sua própria fé.

Uma das parábolas mais singelas e mais claras de Cristo é a da semente da mostarda, a menor de todas a sementes, mas que gera árvores de significativo porte e produz muito fruto.

Quando os cristãos se reúnem na semana de oração para a unidade dos cristãos, uma pergunta é inevitável: como os pregadores, das diversas confissões têm pregado a Palavra? Suas falas colaboram para a união, ou geram divisões? A semente semeada produz frutos bons ou resultam em brotos selvagens e venenosos? A pregação deve ser uma resposta fiel à oração de Jesus: “Pai que todos sejam um como eu tu somos um” (Jo.17,20).

Paulo ordena: “Prega a palavra, insista a tempo e fora do tempo, repreende, suplica, admoesta, com toda paciência e doutrina.” (II Tim.4,2). Tais palavras, certamente não sugerem semeadura de desavenças religiosas, mas devem ser alicerçadas na virtude da paciência que não ofende e nem causa animosidade.

“Ai de mim se eu não evangelizar” (I Cor.4,16), afirmava o Apóstolo das Gentes, certo de que evangelizar não é um ato da voz somente, mas da vida. São Gregório Magno diz: “Há uma lei para o pregador: que faça o que prega”. Santo Agostinho ensinava: “Ama o que crês e prega o que amas” (Sermão 194,1)

A Semana de Oração pela unidade, pode também ser comparada à mínima semente de mostarda, pois nasceu de uma pequenina experiência de  Paul James Wattson, em 1908, em Nova York, e vem crescendo por todo o mundo.

A iniciativa não nasceu nos meios católicos, pois Paul era membro fiel da Igreja Anglicana, mas foi acolhida por muitas outras confissões cristãs. Entre os católicos o movimento ecumênico foi recebido com apresso e vem crescendo, sobretudo após o Concilio Vaticano II (1962-1965), procurando um diálogo bom, amigo, fraterno com os irmãos de outras igrejas, em vista de mantê-los unidos ao menos nos pontos que lhes são comuns, que são muito mais fortes do que aqueles que os dividem.

Numa semana de Oração pela Unidade, a preocupação não é discutir, apelar, recordar erros, nem criticar. O objetivo proposto por Paul James é  orar como irmãos autênticos.

Ganha sentido eloqüente o tema da Semana de 2009: “Unidos na tua Mão” (Cf. Ez. 37,17), presentes os sentimentos de fé profunda na proteção divina, na obra do Pai que deseja ver unidos seus filhos. A imagem dos dois pedaços de madeira da parábola de Ezequiel fortalece o movimento ecumênico e apresenta, numa leitura cristã do texto, a cruz composta pelas duas hastes de madeira, como sinal do amor, do amor supremo que só pode gerar união, nunca divisão.

Dom Gil Antônio Moreira

Artigos similares

Creio na Igreja

07/05/2018

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This