Encontro Nacional de Arte Sacra reflete a importância do espaço sagrado para a vivência da fé

Com o tema “O sagrado e o mistério”, aconteceu nos dias 17 a 21, em Recife (PE), o 8º Encontro Nacional de Arte Sacra, evento que reuniu cerca de 200 pessoas de diversos estados brasileiros, entre artistas, arquitetos, padres, religiosos e interessados em construção e reformas de igrejas. O encontro teve ainda a participação de 40 seminaristas da arquidiocese de Olinda e Recife e alunos dos cursos de teologia e arquitetura da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap).

Por duas manhãs, o tema central do Encontro foi abordado pelo professor da Faculdade Jesuíta de Belo Horizonte (MG), padre João Batista Libânio, que discorreu sobre a compreensão da religião que administra o sagrado; da religiosidade que se nutre do sagrado; e da fé que alimenta e critica o sagrado.

“A fé não precisa do espaço sagrado, não precisa de nenhum recurso religioso, no entanto, a arquitetura pode ajudar a pessoa a viver a fé. A arquitetura sagrada deve realizar um ‘corte’, fazer sair do ordinário e conjugar algo de ‘fascinante e tremendo’”, afirmou o palestrante.  Citando o teólogo e bispo italiano Bruno Forte, padre Libânio associou a figura do Deus Pai ao silêncio, Filho à Palavra e Espírito Santo ao encontro.  Animou aos arquitetos e artistas presentes a “vestir o Pai, criar espaços de silêncio”, que favoreçam a “experiência do Filho, o desejo de ouvir a Palavra e o desejo de encontrar, de abraçar alguém”.

O professor da Unicap, por sua vez, padre Jacques Trudel, levou os participantes a pensar sobre a “Fonte Batismal”. Ele mostrou diversas imagens de batistérios norte americanas e européias. O arquiteto português, professor da Universidade de Lisboa, Bernardo Miranda, apresentou projetos recentes de igrejas em Portugal, com obras marcadas pela influência da “arquitetura chã” portuguesa, estrutura clara e robusta, com superfícies lisas e pouca decoração.

Já o filósofo Luciano Costa Santos, professor da Universidade Estadual da Bahia, estudioso das relações entre literatura e a religião católica, fechou o encontro com um belo passeio sobre a poesia brasileira, e as diversas referências à experiência do espaço sagrado.

Ainda houve apresentação de projetos de dois escritórios de arquitetura do Nordeste, Arremate Arquitetura, de Maceió; e Lilia Campelo, de Recife. A partir das soluções apresentadas em novas igrejas, reformas e intervenções em edifícios de valor histórico, foi suscitada a reflexão sobre os desafios  que são frequentemente  propostos aos arquitetos e artistas na relação com as comunidade e Igreja do Brasil.

O encontro teve a participação do arcebispo de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido, que presidiu a celebração na nova igreja da Oficina Brennand, obra do arquiteto Paulo Mendes da Rocha. O encerramento do encontro teve  coquetel ao som de banda de frevo. Foi marcado por  um clima de festa que reuniu a todos no estudo e no convívio fraterno.

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This