Estratégia de qualificação de porta-vozes encerra o segundo dia de atividades no 4º Encontro de Jornalistas da CNBB

As exposições do professor da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC – Minas) Mozahir Salomão, e do jornalista da TV Senado, Ronaldo Martins, sobre “Mídia Training – Estratégia de Qualificação de Porta-Vozes”, contemplou o trabalho desenvolvido pelos assessores de imprensa nas dioceses, organismos e regionais da CNBB.

Os expositores deram dicas para os assessores desenvolver seus trabalhos nas bases, bem como exemplos para a resolução de crises institucionais. “Em situações de crise é preciso buscar alternativas para encerrar o assunto e a crise. Precisamos como assessores, buscar soluções corretas apresentando a verdade dos fatos”, deu início à sua fala, o jornalista.

ronaldo_martinsenjcnbbMartins alertou para o cuidado que o assessor de imprensa, em organizações, deve se resguardar, quando está diante do jornalista e a fonte. “Devemos ter claro o que deseja o repórter no momento em que você apresenta a ele a fonte. Entrevista ou informação? Porque às vezes sua fonte está sendo entrevistada sem que você saiba e os problemas podem vir depois”, alertou.

Ele chamou de “embate” o processo de produção de uma reportagem quando o jornalista solicita uma fonte da assessoria de imprensa. “Entrevista é um embate porque o jornalista não está ali só para ouvir o que você tem a falar. Ele quer de antemão transformar a notícia num produto vendável, atraente”.De acordo com ele, “o jornalista pensa em transformar o discurso do entrevistado em material que as pessoas estejam dispostas a pagar”, explicou. Completou dando a dica para os assessores tratarem os jornalistas da grande, média e pequena imprensa no mesmo nível sem distinções. Sobre ignorar a imprensa, Ronaldo Martins disse que há situações que cabe, pois, segundo ele, não cabe à instituição responder tudo o que imprensa quer saber.

mozahir_salomaoenjcnbbMozahir concorda com Martins sobre a resolução de crises nas instituições a partir das assessorias de imprensa “Esta é uma das obrigações dos assessores de imprensa que, para resolver os problemas da instituição, devem preparar os assessores para as coletivas de imprensa”.

O professor da PUC – Minas também refletiu com os participantes do encontro o conceito de notícia; as rotinas produtivas no jornalismo e a natureza do trabalho do jornalista. “Jornalismo é um ato cênico. Quando as câmeras são ligadas, o público sabe o que é para ser feito; reage de acordo com aquilo que o jornalista e a imprensa, esperam dele”, disse.

Ainda segundo Mozahir, a “mídia opera por narrativas místicas; as pessoas dão atenção à imprensa porque os discursos dizem respeito ao dia a dia e às representações do cotidiano”, concluiu.

Pauta de domingo

  • 8h Missa presidida pelo secretário geral da CNBB, dom Dimas Lara Barbosa
  • 9h30 Encontro com o secretário geral da CNBB
  • 10h Encaminhamentos, padre Geraldo Martins (assessor de imprensa da CNBB)
  • 12h Almoço, encerramento

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This