Faleceu o arcebispo emérito de Aracaju (SE)

A Arquidiocese de Aracaju (SE) informou, nesta terça-feira, 29 de maio, o falecimento do falecimento do arcebispo emérito, dom Luciano José Duarte.

O Arcebispo Metropolitano de Aracaju, Dom João José Costa, comunica com profundo pesar o falecimento, na tarde da terça-feira, 29, do Arcebispo Emérito, Dom Luciano José Cabral Duarte, que em janeiro deste ano celebrou 93 anos de idade e 70 anos de sacerdócio. Ele padecia com um Alzheimer há vários anos. Filho ilustre de Sergipe, incansável pastor, com vida doada à Igreja de Jesus Cristo, Dom Luciano foi o segundo Bispo Auxiliar (1966-1970), segundo Arcebispo Metropolitano (1971-1998) e adotou o lema episcopal “Scio cui credidi” (Sei em quem acreditei).

O corpo está sendo velado desde as  19h de ontem na paróquia Jesus Ressuscitado (bairro Jardins), onde foram celebradas missas: às 20h e 22h, e  hoje também foram celebradas missas às 7h, 9h, 11h.  Após a última celebração, as 14h, o corpo será trasladado para a Igreja São Salvador, local do sepultamento.

A Arquidiocese de Aracaju e todo o povo de Deus estão unidos em oração pela Páscoa de Dom Luciano, ao tempo em que se solidarizem com a família pranteada“.

Dom Leonardo Steiner, secretário-geral da CNBB, assina de mensagem de pesar dirigida ao arcebispo de Aracajú, dom João José Costa.

Confira.

 

NOTA DE CONDOLÊNCIAS DA CNBB

PELO FALECIMENTO DE DOM LUCIANO JOSÉ CABRAL DUARTE

 

 

Brasília, 30 de maio de 2018

Prezado Irmão, dom João José da Costa.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) manifesta pesar pelo falecimento do arcebispo emérito de Aracaju (SE), dom Luciano José Cabral Duarte, ocorrido ontem, 29 de maio.

Renovamos nossa solidariedade fraterna e, junto com o senhor, entregamos ao coração da Trindade Santíssima a vida desse irmão que, conforme o senhor mesmo nos informou, fez “uma longa caminhada marcada pela dor e pelo sofrimento, mas sobretudo por uma postura de fé e de serenidade”. E estamos juntos também para louvar e agradecer pelo que dom Luciano representou para o Sergipe e para o Brasil: “um homem de Deus. Um homem que vivia para servir para amar na educação, no serviço aos pobres, na promoção das vocações”.

Recorremos às palavras do Santo Padre, Papa Francisco, pronunciadas na celebração de Finados do ano passado, para celebrar a Páscoa de dom Luciano Duarte: “No Evangelho, Jesus fortalece a nossa esperança, ao dizer: ‘Eu sou o pão vivo, o que desceu do Céu: se alguém comer deste pão, viverá eternamente’. São palavras que evocam o sacrifício de Cristo na Cruz. Ele aceitou a morte para salvar os homens que o Pai Lhe deu e que estavam mortos na escravidão do pecado. Jesus se fez nosso irmão e partilhou a nossa condição até à morte; com o seu amor, despedaçou o jugo da morte e abriu-nos as portas da vida”.

O lema episcopal de dom Luciano também merece ser lembrado neste momento. El escolheu servir sob uma belíssima expressão de confiança: “Scio cui credidi” (Sei em quem acreditei). Que esta certeza nos console e nos faça olhar para o futuro da evangelização com esperança renovada.

Enviamos também o nosso abraço aos familiares e aos membros das comunidades da arquidiocese de Aracaju.

 

Dom Leonardo Ulrich Steiner

Secretário-Geral da CNBB

Share This