Hallel 2008 – aposta na vida

No mundo e no Brasil, a vida continua cada vez mais ameaçada e os sinais de morte aumentam a cada dia. A violência tomou conta das manchetes em todos os meios de comunicação. A impressão que fica é a de que a vida está perdendo espaço, a vida não tem valor. A cultura da morte se instala com uma velocidade impressionante. Nós, cristãos, somos chamados a implantar a cultura do amor. O Hallel deste ano quer ser mais um grito em defesa da vida e do amor pela vida, em sintonia com a Campanha da Fraternidade. Este evento, que reúne milhares de pessoas de todos os lados do Brasil e da América Latina, é hoje o maior Hallel da América Latina, evento de evangelização através da música, teatro, pregação, louvor e adoração. Todas as idades, todas as religiões, todas as raças, todas as etnias, estão convidadas para fazer parte deste grito em favor da vida. Este ano, o módulo ecumênico inaugura uma fase nova, com bandas evangélicas e católicas anunciando a boa notícia da vida a todos os que crêem no Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Queremos resgatar os valores da vida humana desde a concepção até a morte natural; principalmente queremos que seja um grito em defesa da vida no trânsito na cidade de Maringá, que até este mês de novembro, já ultrapassa em mais de 50 mortes nas belas e largas e bem sinalizadas ruas de Maringá. Quanto sangue derramado onde todos os dias trabalhadores e trabalhadoras trafegam para ganhar, com o suor do trabalho, o pão de cada dia.  Queremos a vida e vida em abundância para todos. “Eu vim para que todos tenham vida e vida em abundância” disse Jesus( Jo 15). Por isso somos todos chamados a construir um mundo onde a morte não tenha domínio sobre nós. Só Deus tem poder de dar e tirar a vida. “Deus deu e Deus tirou, bendito seja Deus diz o Sagrada Escritura.

O quinto mandamento da Lei “Não Matar” é a voz de Deus clamando aos nossos ouvidos. A humanidade está se tornando cada vez mais surda, cega, diante das normas ditadas por Deus. Por isso aumenta o número dos sem gosto de viver, dos que tanto faz matar ou morrer. O veículo, seja ele carro, moto ou bicicleta, foi criado para se locomover, para trabalhar, para passear, para descansar, para prestar solidariedade, para prestar socorro, enfim, para amar e servir, e nunca para matar. Todos têm o dever de usar, com responsabilidade, o espaço comum, organizado para se deslocar, tendo a consciência de que não está sozinho, nas ruas e avenidas da cidade. Quem está do meu lado, no trânsito, é uma pessoa e não uma máquina, um objeto a ser danificado ou destruído. Os dez mandamentos, dados a Moisés no Monte Sinai, são normas que Jesus resumiu em uma única lei: “Amar a Deus sobre todas as coisas e o próximo como a nós mesmos”( Mt 22,37-40). A lei maior do trânsito foi dada pelo Senhor: “Ame e basta”.

“Escolhe pois, a vida” nos diz a palavra de Deus em Deuteronômio 30,19. Somos convocados a acreditar em nós e em nossas capacidades. Somos seres criados por amor e para amar. Amar a vida, em todas as suas etapas e em todos os seus sentidos, é o caminho que queremos para continuar realizando as obras em defesa da vida. A esperança que nos anima, aqui e agora, é ser sinais visíveis de gente que acredita na vida que Deus Criador e Pai nos deu para levar aperfeiçoada para a eternidade. “Aposta, pois na vida”, não brinque com o presente que Deus lhe deu para ser cuidado e nunca ser destruído pelas tuas próprias mãos. Nunca se sinta dono da vida e sim um apaixonado pela vida, humana, animal, vegetal, ecológica. Se você for capaz de destruir uma árvore por mais tenra que seja, você nunca será capaz de apostar na vida humana feita à imagem e semelhança de Deus.  Hallel 2008 apostando na vida, 08 e 09 de novembro no Parque de Exposição, Maringá.

Dom Anuar Battisti

Artigos similares

A pior casa

03/03/2011

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This