Igreja da dádiva e da partilha

Dom Roberto Francisco Ferreria Paz
Bispo de Campos (RJ)

Associado à Solenidade da Santíssima Trindade, a Igreja diocesana de Campos, como outras Comunidades eclesiais, comemoram o dia do Dízimo. De veras, a Santíssima Trindade é um mistério de dádiva e partilha da vida divina que quer incluir a humanidade.

Símbolo e gesto inspirado no Deus Uno e Trino, em sua solidariedade e comunhão, o dízimo é uma prática eclesial que reconhece a soberania e o Senhorio de Deus na vida de cada um, na família e na comunidade, expressa o compromisso missionário de levar a Palavra e o amor divinos a todos os lares e ambientes e torna-se sinal de caridade transformadora para com os pobres.

Ser dizimista é marca de cidadania e participação à acolhida, construção e expansão do Reino. Quando a Igreja não vive a prática dizimal, envereda facilmente para teologias da prosperidade, marketing duvidosos, e subserviências que limitam a sua autonomia e profetismo. Nada mais fraterno que o dízimo, que possibilita promover sem criar dependências, ampliar o patrimônio eclesial de forma transparente e participativa, envolvendo sempre a comunidade e aprofundando a consciência de pertença e identidade católica.

Porém é fundamental que esta prática não se acomode e se torne uma rotina a mais, perdendo seu profundo conteúdo espiritual e de ser sinal de partilha e entrega, de aliança viva com o Deus que caminha conosco, libertando-nos de apelos egoístas e de auto-afirmações superficiais. Acreditar no dízimo não é falar de resultados, ou de sua eficácia de angariar fundos, mas descobrir o sentido dos bens temporais na Igreja e seu correto uso para a salvação.

Somos apenas mordomos, servos inúteis, e nossa contribuição, simplesmente trocados, que Deus converterá e multiplicará em dons e serviços partilhados para o Reino. Por uma Igreja 100% dizimista, por católicos missionários e enviados a gerar a civilização do amor e da partilha no mundo. Deus seja louvado!

Share This