Igreja lembra um ano de beatificação de Irmã Dulce

Hoje, dia 22 de maio, recorda-se o primeiro aniversário da beatificação de Irmã Dulce, conhecida pelos baianos como “Anjo Bom”. Em Salvador (BA), foi realizada uma missa, no Santuário da Bem-aventurada Dulce, celebrada pelo bispo de Irecê (BA), dom Tommaso Cascianelli.

De acordo com a assessoria de imprensa das Obras Sociais Irmã Dulce, o reflexo da devoção à beata e da expectativa pela canonização é notado no expressivo aumento de 135% nas visitas ao Santuário (onde se encontra a Capela das Relíquias) e Memorial, entre 2010 e 2011.

Em 22 de maio do ano passado, a beatificação de Irmã Dulce reuniu mais de 70 mil pessoas no Parque de Exposições de Salvador.

Irmã Dulce morreu em 13 de março de 1992, pouco antes de completar 78 anos. A fragilidade com que viveu os últimos 30 anos da sua vida, com a saúde abalada seriamente, não impediu que ela construísse e mantivesse uma das maiores e mais respeitadas instituições filantrópicas do país, batendo de porta em porta pelas ruas de Salvador, nos mercados, feiras livres ou nos gabinetes de governadores, prefeitos, secretários, presidentes da República, sempre com a determinação de quem fez da própria vida um instrumento vivo da fé.

O incentivo para construir a sua obra, Irmã Dulce teve do povo baiano, de brasileiros dos diversos estados e de personalidades internacionais. Em 1988, ela foi indicada pelo então presidente da República, José Sarney, com o apoio da Rainha Sílvia, da Suécia, para o Prêmio Nobel da Paz. Oito anos antes, no dia 7 de julho de 1980, Irmã Dulce ouviu do papa João Paulo II, na sua primeira visita ao país, o incentivo para prosseguir com a sua obra.

Os dois voltaram a se encontrar em 20 de outubro de 1991, na segunda visita do Pontífice ao Brasil. João Paulo II fez questão de quebrar o rigor da sua agenda e foi ao Convento Santo Antônio visitar Irmã Dulce, já bastante debilitada, no seu leito de enferma. Cinco meses depois da visita do papa, os baianos choraram a morte do “Anjo Bom”.

O processo de beatificação começou em 2000 e a autenticidade do primeiro milagre atribuído a Irmã Dulce foi reconhecida pelo Vaticano em outubro de 2010.

Em 11 de dezembro de 2010, um dia após o decreto papal, a fase de canonização do processo foi iniciada. Isto significa que qualquer graça ocorrida a partir desta data pode vir a ser analisada pelo Vaticano como o potencial milagre de sua canonização.

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This