IV Seminario Nacional de Mulheres Negras e Saúde

“Não quero ser você, quero ser eu, sem imitações ou limitações, sou preta resistência!”

(Grupo Kanaombo)

No ano de 2004 nasce a Rede de Mulheres Negras do Paraná e em sua base está uma das pautas importantes de sua missão que é o seminário de mulheres negras e saúde. Esse evento aconteceu nos dias 13 a 15 de novembro de 2009, estiveram reunidas mais de 250 mulheres negras no Hotel Paraná Suíte em Curitiba, mulheres negras vindas de 15 estados brasileiros para a realização do IV Seminário.

 

“A noite não adormece nos olhos das mulheres (Conceição Evaristo)”

O evento teve início com a programação de oficinas, na tarde de sexta feira, com as seguintes temáticas:

1. Segurança alimentar e nutricional e mulheres negras

2. História do feminismo e mulheres negras

3. Religião de matriz africana e saúde

4. Educação étnico racial e gênero-orientação sexual na educação

5. Racismo e auto-estima

6. Jovens Negras e Vulnerabilidade

Às 19 horas, o evento teve sua abertura solene com a apresentação do grupo afro kanaombo, a dança, a poesia, a arte afro brasileira, em seguida a fala de autoridades presentes seguida de uma mesa redonda com o tema: As políticas Publicas e as Mulheres Negras: Avanços e Desafios.

No sábado às 8 horas apresentou – se o filme: Eu mulher negra, seguida de várias mesas.

a) Direitos humanos a conquistar: universalidade, integralidade  e direito à equidade

b) Saúde da mulher negra e mortalidade materna

c) Mulheres Negras e violência

d) AIDS e racismo, as interfaces da vulnerabilidade

e) Jovens negras e vulnerabilidade

Foram mesas riquíssimas de participação e reflexão, com profissionais negras que estão atuando no SUS, na comunicação, na educação, na política e na segurança Pública com enfoque nas questões étnicos raciais.

No sábado a noite houve o lançamento do livro Quilombolas saudáveis  publicado por uma equipe de profissionais da Rede de Mulheres Negras do PR. Destaco aqui a participação das representações das várias comunidades quilombolas do Paraná e representação dos estados do Amapá e Rondônia nesse evento.

No domingo continuou-se com as mesas redondas com  temas:

a) Racismo e saúde mental

b) Anemia falciforme no Brasil e no Paraná

c) Mulheres negras e comunicação

d) Saúde e saneamento nas comunidades quilombolas

e) Ações, controle social e a implementação da política integral de saúde da população negra.

f) Apresentação de pesquisa na questão afro brasileira/ trabalhos, experiências e pesquisas.

Falas…

O espaço de luta pelo direito a saúde das mulheres é uma conquista. O movimento está em movimento e a busca é para todas as pessoas que querem se libertar. Em  2004 foi criado a política para a população negra, existem seis secretarias  sob a coordenação do ministério federal da saúde.

O Brasil tem a 4ª população encarcerada do mundo, com 229 679 mil negros entre 18 a 29 anos e com baixa escolaridade. Existe um grupo preferencial, alvo do sistema,  que são os negros. Isso é impactante! Os Estados Unidos está importando um sistema prisional desumano para os países pobres, entre eles está o Brasil. É uma política de extermínio. As mulheres negras estão morrendo no sistema prisional.

Em 18 de março de 2004 foi criado o pacto nacional pela redução da mortalidade materna neonatal. Causas de morte materna: anemia falciforme, hipertensão arterial/ hemorragia/ complicação decorrente de aborto realizado em condições inseguras/ infecção pós parto/ parto cesária (cirurgia de grande porte. O que fazer? Pré natal, educação em saúde, criação de comitês de prevenção de parto normal, diminuição das técnicas intervencionistas, e outras…

Morrem 13,4 mulheres brancas de eclampsia e 43,92 mulheres negras. Morrem 7,62 mulheres brancas que praticam o aborto e 25,23 mulheres negras. È um genocídio que atinge a população jovem negra. Essas mortes acontecem nos hospitais, onde as mulheres estão internadas, mal cuidadas ou esquecidas.

Eu me escondia pra não morrer, hoje eu me mostro pra viver!

A bandeira dos portadores de HIV/ DST/ AIDS. (esteve presente algumas mulheres soropositivas que deram seu depoimento.

A situação da população negra na saúde é invisível,  porque nos formulários de saúde  não aparece o quesito raça/ cor.

A maior derrota de uma mãe é perder um filho. Os locais de crime são execução. Os jovens usam a noia – borra do craque e morrem mais rápido. São assassinados 3.05,85% de jovens assassinados. Todos os negros nasceram para ser Barak Obama, a sociedade não dá chance, a polícia não dá chance, o estado não dá chance.

O povo negro tem alta capacidade de enfrentamento, tiraram nosso sobrenome, nossas famílias. È uma História de resistência. Somos mais sofridos, mais injustiçados, somos mais alegres. Como pode ser mais sofrido e mais alegre? Essa é a capacidade de transformar dor em alegria – é a capacidade de resiliência.

A sociedade naturalizou a lógica racista, sexista minimizando a dor do negro e da negra. A mulher negra não é resistente por natureza, minimizaram a dor dessas mulheres, com esse mito de que as mulheres negras são mais resistentes biologicamente. Usam essa ideologia, tirando o direito da mulher negra ser anestesiada na hora do parto. Essa é uma das formas de discriminação e de racismo contra as mulheres negras.

“Precisamos enegrecer a política brasileira!

Que igualdade é essa num país campeão da desigualdade?

Irmã Silvana Sampaio Gomes

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This