Memória, sonho e profecia

Dom Francisco Biasin
Bispo de Barra do Piraí – Volta Redonda (RJ)

 “Quando falta a profecia, o povo se corrompe!” (Pr 29,18)

Esta afirmação do livro dos Provérbios impressiona pela sua lucidez e cria impacto na nossa consciência. Quem está com os cabelos brancos e ainda com boa memória, lembra com saudade que em tempos recentes houve entre nós profetas cuja visão da vida, em suas mais variadas manifestações, iluminou a nossa caminhada eclesial, motivou o nosso compromisso com a transformação da sociedade à luz da Palavra de Deus e soube articular um discurso capaz de criar opinião pública na perspectiva de ser “fermento, sal e luz”!

Hoje em dia aproxima-se mais da nossa realidade a profecia de Jeremias: “Se saio para os campos, aí estão os atingidos pela espada; se entro na cidade, aí, os abatidos pela fome! Pois até o profeta e o sacerdote vagueiam pela terra sem saber o rumo!”(Jr 14,18). O sentimento é exatamente este: ter perdido o rumo! E trata-se de um sentimento bastante generalizado!

Detectar as causas do surgimento desse sentimento negativo ou apresentar receitas para a sua superação é tarefa árdua, quando não impossível! Mas é preciso reagir porque acreditamos que a profecia não acabou, nem acabará e todos queremos encontrar um caminho para sairmos  da situação estagnante em que se encontra a sociedade, com reflexos pesados sobre a vivência eclesial.

Permito-me citar o Papa Francisco: ele fala de “sociedade desenraizada” e afirma:

“Penso que uma maneira forte de nos salvar seja o diálogo, o diálogo dos jovens com os idosos: uma interação entre velhos e jovens… Jovens e idosos devem conversar uns com os outros. É preciso fazer isso cada vez mais: isso é muito urgente! E tanto os velhos quanto os jovens devem tomar essa iniciativa. Existe uma passagem na Bíblia (Joel 3,1) que diz: ‘Vossos anciãos terão sonhos e vossos jovens terão visões’.

Mas nossa sociedade descarta ambos, descarta os jovens do mesmo modo que descarta os velhos. No entanto, a salvação dos idosos é dar aos jovens a memória. Isso torna os velhos verdadeiros sonhadores de futuro, enquanto a salvação dos jovens é pegar essas lições, esses sonhos, e levá-los adiante com a profecia… Os velhos sonhadores e os jovens profetas são o caminho da salvação desta nossa sociedade desenraizada: duas gerações de descartados podem salvar a todos. Tudo isso está ligado ao que chamo de revolução da ternura, porque é preciso ternura para um jovem se aproximar de um idoso e é preciso ternura se um idoso quiser aproximar-se de um jovem”. ( Francisco: Deus é jovem. Editora Planeta, pag 40 e 41)

Trata-se de uma dica preciosa para manter viva a esperança, cultivar os nossos sonhos e despertar a nossa profecia! Porque “quando falta a profecia, o povo se corrompe!”

Share This