Ministérios e serviços

Na quarta semana de agosto, lembramos no Brasil a vocação para os ministérios e serviços na comunidade. Lembrei-me de dois jovens alemães em Paris: Um deles, em estágio pastoral, enviado por uma Diocese alemã. Tinha tudo pago. Era inteligente, parecia íntegro, interessado em aprender o máximo. Mas não movia uma palha em beneficio de ninguém. Outro jovem, natural de Berlim, não era batizado, mas estava inquieto, em busca de Cristo. Era muito serviçal. Acompanhou a mim e a um amigo até a Conferência Episcopal Francesa e à “Missão Estrangeira”, onde há documentação de inúmeros mártires da fé, principalmente da Coréia, do Vietnã e do Camboja. Fomos até ao Santuário da Medalha Milagrosa de Nossa Senhora das Graças. Meu amigo deu ao jovem inquieto uma bela medalha. O que o comoveu. Ao partirmos o pároco me comunicou que o jovem serviçal pedira o Batismo. O outro, o ensimesmado, é candidato à dominação.

Li nalguma parte que o serviço é o irmão caçula do amor. Sem amor, pode haver dominação e burocracia, mas não autêntico ministério. O apóstolo Paulo chama a atenção de que os ministérios devem ser exercidos em espírito fraterno e dedicação à Igreja, em nome do Senhor. “Eu vos exorto a vos oferecerdes como sacrifício vivo, santo e aceitável: seja esse o vosso culto espiritual”. E acrescenta: “Usemos os diferentes dons que possuímos segundo a graça que nos foi concedida” (Rom 12,1-6).

Para presidir o povo de Deus temos o ministério ordenado: Bispos, presbíteros e diáconos. Mas os fiéis leigos, em virtude do Batismo e da Confirmação, têm a obrigação e o direito, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar também para que o Evangelho seja conhecido por toda terra. O próprio Direito Canônico faculta aos fiéis leigos o exercício de diversos ministérios: “Onde a necessidade da Igreja o aconselhar, podem também os leigos, na falta de ministros, suprir alguns de seus ofícios. A saber, exercer o ministério da palavra, presidir às orações litúrgicas, administrar o batismo e distribuir a sagrada Comunhão. (Cân 230, § 3).

Não se pode omitir que o papel específico dos leigos é estar na linha mais avançada da Igreja, na política, na economia, nas relações internacionais. É através dos fiéis leigos que a Igreja é chamada a ser o princípio vital da sociedade humana.

Nesta semana reconhecemos agradecidos a multidão de ministros e ministras dedicados às nossas comunidades. É uma obra de amor. Obrigado “servidores de Cristo e administradores dos mistérios de Deus”, como diz Paulo aos Coríntios (1 Cor 4, 1).

Dom Aloísio Sinésio Bohn

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This