Papa aos bispos: como Romero, lutar contra as injustiças e pobreza

O Papa Francisco encontrou-se com os Bispos da América Central, nesta quinta-feira (24/01), na Igreja de São Francisco de Assis, em Cidade do Panamá. O Pontífice exortou a Igreja a ser humilde e pobre, não arrogante nem cheia de orgulho, seguindo o exemplo de São Óscar Romero.

Foi para toda a Igreja e para o Povo de Deus, o discurso do Papa Francisco aos bispos centro-americanos do Secretariado Episcopal da América Central (SEDAC) que há 75 anos reúne os bispos das Conferências Episcopais do Panamá, El Salvador, Costa Rica, Guatemala, Honduras e Nicarágua. O Papa encontrou os bispos e os abraçou: “Entre vocês há também amigos de juventude”, disse.

Após a saudação do presidente do organismo, dom José Luis Escobar Alas, centralizado sobre o atual momento histórico  “tristemente” marcado – disse o prelado – pela violência, corrupção, desigualdade, migração, exclusão social especialmente para os mais pobres, Francisco em  seu discurso ressaltou que “este encontro com os bispos oferece-lhe a oportunidade de poder abraçar e sentir-se mais próximo dos povos centro-americanos”.

“Obrigado por deixarem-me aproximar desta fé provada mas simples do rosto pobre de seu povo, que sabe que «Deus está presente, não dorme; está ativo, observa e ajuda», disse o Papa citando um trecho da homilia de São Óscar Romero de 16 de dezembro de 1979.

“Este encontro nos recorda um acontecimento eclesial de grande relevância. Os pastores desta região foram os primeiros a criar na América um organismo de comunhão e participação que deu, e continua dando, frutos abundantes. Refiro-me ao Secretariado Episcopal da América Central (SEDAC): um espaço de comunhão, discernimento e empenho que nutre, revitaliza e enriquece as suas Igrejas. Pastores que souberam progredir, dando um sinal que, longe de ser um elemento apenas programático, indicou como o futuro da América Central – e de qualquer outra região no mundo – passa necessariamente pela lucidez e capacidade que se possui de ampliar a visão, unir esforços num trabalho paciente e generoso de escuta, compreensão, dedicação e empenho, e poder assim discernir os novos horizontes para onde nos está conduzindo o Espírito”.

Segundo o Papa, “nesses setenta e cinco anos passados desde a sua fundação, o SEDAC procurou partilhar as alegrias e tristezas, as lutas e esperanças dos povos da América Central, cuja história se forjou entrelaçando-se com a história do seu povo”.

“Muitos homens e mulheres, sacerdotes, consagrados, consagradas e leigos ofereceram a vida até ao derramamento do próprio sangue, para manter viva a voz profética da Igreja contra a injustiça, o empobrecimento de tantas pessoas e o abuso do poder. ”

“Recordam-nos que «quem deseja verdadeiramente dar glória a Deus com a sua vida, quem realmente quer se santificar para que a sua existência glorifique o Santo, é chamado a obstinar-se, doar-se e cansar-se procurando viver as obras de misericórdia». E fazê-lo, não como esmola, mas como vocação.”

“Entre tais frutos proféticos da Igreja na América Central, apraz-me destacar a figura de São Óscar Romero, que tive o privilégio de canonizar recentemente no contexto do Sínodo dos Bispos sobre os jovens. A sua vida e magistério são fonte constante de inspiração para as nossas Igrejas e particularmente para nós, bispos. ”

“O lema que escolheu para o brasão episcopal, e campeia na lápide da sua sepultura, expressa claramente o seu princípio inspirador e a realidade da sua vida de pastor: «Sentir com a Igreja». Uma bússola que marcou a sua vida na fidelidade, mesmo nos momentos mais turbulentos.”

Francisco disse que São Óscar “gostava de colocar no centro do sentir com a Igreja, a percepção e a gratidão por tanto bem recebido, sem o merecer. Romero foi capaz de sintonizar e aprender a viver a Igreja, porque amava intimamente quem o gerara na fé. Romero sentiu com a Igreja, porque, antes de mais nada, amou a Igreja como mãe que o gerou na fé, considerando-se membro e parte dela”.

“Este amor, feito de adesão e gratidão, levou-o a abraçar, com paixão mas também com dedicação e estudo, toda a contribuição e renovação propostas pelo magistério do Concílio Vaticano II. Nele encontrava a mão segura para seguir Cristo. Não foi ideólogo nem ideológico. Iluminado por este horizonte eclesial, sentir com a Igreja significa para Romero contemplá-la como Povo de Deus. O pastor, para procurar e encontrar o Senhor, deve aprender e escutar as pulsações do coração do seu povo, sentir «o cheiro» dos homens e mulheres de hoje até ficar impregnado das suas alegrias e esperanças, tristezas e angústias.”

A kenosis de Cristo
A seguir, o Papa falou sobre a kenosis de Cristo, afirmando que “esta não é apenas a glória da Igreja, mas também uma vocação, um convite a fazermos dela a nossa glória pessoal e caminho de santidade. A kenosis de Cristo não é algo do passado, mas garantia atual para sentir e descobrir a sua presença operante na história; uma presença que não podemos nem queremos silenciar, porque sabemos e experimentamos que só Ele é «Caminho, Verdade e Vida».”

Para Francisco, “a kenosis de Cristo nos lembra que Deus salva na história, na vida de cada ser humano, já que a mesma é também a sua história e, nela, vem ao nosso encontro”.

“Irmãos, é importante não ter medo de nos aproximarmos e tocarmos as feridas do nosso povo, que são também as nossas feridas, e fazê-lo segundo o estilo do Senhor. ”

Francisco disse ainda que “o pastor não pode estar longe do sofrimento do seu povo. Podemos dizer que o coração do pastor mede-se pela sua capacidade de deixar-se comover à vista de tantas vidas feridas e ameaçadas”.

A kenosis de Cristo é jovem
“A kenosis de Cristo é jovem”, disse ainda o Papa.

“Esta Jornada Mundial da Juventude é uma oportunidade única para sair ao encontro e aproximar-se ainda mais da realidade dos nossos jovens, cheia de esperanças e sonhos, mas também profundamente marcada por tantas feridas. ”

“Com eles, poderemos ver melhor como tornar o Evangelho mais acessível e crível no mundo em que vivemos; são uma espécie de termômetro para saber a que ponto estamos como comunidade e como sociedade.”

“Os jovens trazem dentro uma inquietude que devemos apreciar, respeitar, acompanhar e que faz muito bem a todos nós, porque nos provoca, lembrando-nos que o pastor nunca deixa de ser discípulo e está a caminho. Exorto-os a promover programas e centros educacionais que saibam acompanhar, apoiar e responsabilizar os seus jovens; «roubai-os» à rua, antes que a cultura de morte, «vendendo-lhes fumo» e soluções mágicas, se apodere e aproveite da sua imaginação. Façam isso não com paternalismo como quem olha de cima para baixo, pois não é isso que o Senhor nos pede, mas como pais, como de irmão para irmão.”

A seguir, Francisco recordou que “há muitos jovens que foram seduzidos por respostas imediatas que hipotecam a vidaDiziam-nos os Padres Sinodais que aqueles, por constrição ou falta de alternativas, se encontram mergulhados em situações altamente conflituosas e sem solução à vista: violência doméstica, feminicídio – uma chaga, que aflige o nosso continente –, bandas armadas e criminosas, tráfico de droga, exploração sexual de menores e de tantos que já não o são, etc”.

O Pontífice ressaltou que “na raiz de muitas destas situações, está uma experiência de orfandade, fruto de uma cultura e uma sociedade transviada. Lares desfeitos devido tantas vezes a um sistema econômico que deixou de ter como prioridade as pessoas e o bem comum, fazendo da especulação o «seu paraíso» onde continuar «engordando», sem se importar, às custas de quem. Assim, os nossos jovens sem o calor duma casa, nem família, nem comunidade, nem pertença são deixados à mercê do primeiro vigarista que lhes apareça.”

Impacto da migração
O Papa falou também sobre a questão da migração: “Na última carta pastoral, vocês afirmaram: «Ultimamente a nossa região tem sofrido o impacto da migração realizada de forma nova, por ser maciça e organizada, e que evidenciou os motivos que levam a uma migração forçada e os perigos que cria para a dignidade da pessoa humana».

Francisco recordou que “muitos dos migrantes têm rosto jovem; procuram um bem maior para a própria família, não temendo arriscar e deixar tudo para lhe oferecer o mínimo de condições que garantam um futuro melhor. Aqui não basta a denúncia, mas devemos anunciar concretamente uma «boa nova».

“Graças à sua universalidade, a Igreja pode oferecer uma hospitalidade fraterna e acolhedora, de modo que as comunidades de origem e destino dialoguem e contribuam para superar medos e difidências e fortalecer os laços que as migrações, no imaginário coletivo, ameaçam romper. ”

“«Acolher, proteger, promover e integrar» podem ser os quatro verbos com que a Igreja, nesta situação migratória, conjugue a sua maternidade no momento atual da história.”

 

INTEGRA DO DISCURSO DO PAPA

 

A kenosis de Cristo é sacerdotal
kenosis de Cristo é sacerdotal, frisou o Papa, convidando os bispos a não caírem no funcionalismo e no clericalismo “infelizmente tão difundidos. Não é questão de mudar estilos, hábitos ou linguagem. É questão sobretudo de impacto e capacidade de espaço, nos nossos programas episcopais, para receber, acompanhar e sustentar os nossos sacerdotes: um «espaço real» para nos ocuparmos deles. Isto faz de nós pais fecundos”.

A kenosis de Cristo é pobre
Por fim, “a kenosis de Cristo é pobre”, frisou o Papa. “Sentir com a Igreja é sentir com o povo fiel, o povo de Deus que sofre e espera. Uma Igreja que não deseja que a sua força esteja – como dizia Dom Romero – no apoio dos poderosos ou da política, mas que disso se desprende com nobreza para caminhar sustentada unicamente pelos braços do Crucificado, que é a sua verdadeira força. E isto traduz-se em sinais concretos e evidentes; isto interpela-nos e impele-nos a um exame de consciência a propósito das nossas opções e prioridades no uso dos recursos, influências e posições. A pobreza é mãe e muro, porque guarda o nosso coração para que não escorregue em concessões e comprometimentos que enfraquecem a liberdade e parresia a que nos chama o Senhor.”

 

Por Mariangela Jaguraba/Vatican News

 

Share This