Paulo, o apóstolo dos gentios

Quando o Santo Padre convocou a Igreja para celebrar o “Ano Paulino” no qual estamos, o desejo de Sua Santidade é que, conhecendo melhor a vida e a ação apostólica de São Paulo, nos empenhemos na compreensão de sua doutrina.

O cristianismo nasceu no meio do judaísmo e por isto é que Jesus disse não ter Ele sido enviado senão às ovelhas perdidas de Israel (Mt 25, 24) e ter recomendado inicialmente aos apóstolos que não se dirigissem aos pagãos (Mt 10, 5), não obstante ser o cristianismo uma religião universal. No espírito do Fundador, a sua doutrina e a sua vida destinavam-se a atingir todas as nações. O escolhido para esta abertura do Evangelho às nações foi Paulo, “o apóstolo dos gentios” (At 9, 15).

Paulo nasceu em Tarso, onde floresciam escolas de letras, filosofia e ciências. As cartas paulinas deixam claro ter tido ele um conhecimento suficiente da língua grega, não um grego clássico, mas um “dialeto comum”.  Em Jerusalém ele se fez discípulo de Gamaliel para o conhecimento da lei (Atos 22, 3) e assim se tornou um fariseu fanático e ardoroso defensor da lei mosaica, perseguindo os cristãos, invadindo suas casas e prendendo os que encontrasse (Atos 8, 1-3). Foi numa das suas invectivas contra eles em Damasco que Deus o surpreendeu.

Saulo era seu nome. Na altura de seus trinta anos foi interpelado por Jesus quando, sob a luz irradiante que o envolveu, ouviu o Senhor que lhe perguntava por que o perseguia. São Lucas nos narra com singular colorido ente encontro do perseguidor com o Perseguido: “Saulo, por que me persegues?”

Foi este fariseu reto e bem instruído na lei mosaica, que Deus escolheu para levar seu nome, isto é, o mistério da salvação aos gentios, como se lê nos Atos dos Apóstolos (22, 21). Nota-se ainda que São Paulo não deve ter tido acesso aos Evangelhos que hoje conhecemos. A riqueza da doutrina que prega, expressa nas suas epístolas, ele confessa ter recebido diretamente do Senhor. Ele o diz na 1ª aos Coríntios (11, 23) ao falar do dogma eucarístico: “Eu recebi do Senhor o que vos transmiti”. O mesmo ele diz a respeito do matrimonio (1ª Cor 7, 10). Sua doutrina ele a recebeu do Senhor para pregar aos gentios, aos quais fora por Deus enviado como mensageiro da salvação. É o doutor dos povos não-judeus.

“Ano Paulino”, este que estamos vivendo, é ocasião feliz para conhecer melhor a rica doutrina do Apóstolo. A sua festa no dia 25 de janeiro, comemorando a sua conversão é o momento de inflamar-nos no amor Àquele que nos chama à fé e nos destinou à felicidade que não tem fim. É bem verdade o que se lê no final dos Atos dos Apóstolos: “Aos gentios foi enviada a salvação que vem de Deus” (28, 28).

Dom Benedicto de Ulhôa Vieira

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This