Paulo, um anunciador do Evangelho

“Irmãos, quero lembrar-vos o evangelho que vos anunciei e que recebestes, e no qual estais firmes. De fato, eu vos transmiti, antes de tudo, o que eu mesmo tinha recebido, a saber: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, foi sepultado e, ao terceiro dia, foi ressuscitado, segundo as Escrituras.” (1Cor 15,1.3)

A história da vida do Apóstolo Paulo pode nos ajudar a refletir sobre a nossa prática catequizadora, enquanto anunciadores da Boa Notícia sobre Jesus, nosso Senhor.

Jesus, Paulo e Ananias

Logo após ter se encontrado com Jesus a caminho de Damasco, Paulo começa a mudar o rumo de sua existência. Ananias é enviado pelo Senhor ao seu encontro e o batiza. Então Paulo é conduzido à comunidade cristã de Damasco e começa a testemunhar o que havia acontecido com ele (ver At 9,1-22). Podemos dizer que Ananias foi o primeiro catequista de Paulo, pois foi quem o introduziu na comunidade cristã de Damasco. Esta comunidade catequizadora acolheu seu novo membro e tornou-se para ele o primeiro lugar da experiência de vida comunitária no seguimento de Jesus Cristo. Foi em Damasco que Paulo aprendeu o que é ser cristão.

Paulo e Barnabé em Jerusalém e Antioquia

Barnabé é outro catequista de Paulo. Barnabé apresenta Paulo à comunidade de Jerusalém, que temia o antigo perseguidor. O testemunho de Barnabé a favor de Paulo é decisivo para que este seja integrado na comunidade. Aí Paulo também é formado na fé cristã, no convívio com os cristãos de Jerusalém. É bem provável que Paulo tenha sido instruído pelos apóstolos. Por causa do risco de morte, Paulo é enviado a Tarso, sua terra natal (ver At  9,23-30).

A fim de levar Paulo à comunidade de Antioquia da Síria, terceira maior cidade do Império Romano, Barnabé vai ao encontro dele em Tarso (ver At 11,19-30), onde parece que Paulo teve tempo para aprofundar seus conhecimentos sobre Jesus Cristo. A primeira missão de Paulo, junto a Barnabé, é entregar a ajuda dos cristãos de Antioquia aos anciãos da Judéia. Finalmente, Barnabé e Paulo são enviados em missão pela comunidade de Antioquia e começam a espalhar o evangelho pelo mundo, a partir da ilha de Chipre, terra natal de Barnabé (ver At 13,1-3).

Paulo, discípulo de Jesus

Estas notícias do livro dos Atos dos Apóstolos nos ajudam a perceber que Paulo, antes de se tornar um grande anunciador do Evangelho, aprendeu junto a algumas pessoas e na vida das comunidades cristãs a ser discípulo de Jesus. Isso é muito importante, pois recorda para nós a necessidade de formação permanente ao longo de nossa atividade catequética. Nunca estamos prontos! O próprio Paulo diz: “…qualquer que seja o ponto a que tenhamos chegado, continuemos na mesma direção” (Fl 3,16).

O formador de discípulos

É por isso que Paulo diz aos coríntios que lhes transmitiu o que recebeu: o mistério pascal – a morte e ressurreição de Jesus – a mensagem central do anúncio. Paulo tem consciência de que é porta-voz de uma grande notícia, que ele primeiro ouviu e vivenciou nas comunidades por onde passou: Damasco, Jerusalém, Antioquia. Ele faz parte de uma grande tradição que ao longo do tempo vai tecendo e aprofundando a boa notícia da salvação.

Por ocasião de suas viagens, Paulo vai conhecendo pessoas e anunciando o Evangelho nas cidades por onde passa: Silas (= Silvano), Timóteo, Lídia, o carcereiro de Filipos, Jasão,o casal Áquila e Priscila. Muita gente acolhe o anúncio do Reino e passa a ser catequizada por Paulo. Ele forma discípulos para viver em comunidade e trabalhar em equipe. Seus colaboradores chegam a mais de oitenta pessoas! Escreve cartas pastorais, procurando exortar, esclarecer dúvidas a respeito da fé ou solucionar problemas da vida em comunidade (ver 1Ts 4,13–5,11; 1Cor 3,1–4,13; 7; 15; 2Cor 10-13; Fl 4,2-9; Gl 5,1-12; Rm 12,1-21). Faz-se representar por seus colaboradores, quando não pode ir pessoalmente (ver 1Ts 3,1-10; 2Cor 7,6-7). É capaz de se inculturar no mundo urbano e ocidental, traduzindo o Evangelho de Jesus para uma nova situação pastoral, a fim de que seus ouvintes o compreendam. É assim que usa imagens do esporte, da arquitetura, da educação (ver 1Cor 9,24-27; Ef 2,19-22; Gl 3,19-29). Seu testemunho de vida é anúncio da boa notícia que proclama, embora seja muitas vezes firme, chegando mesmo a ser severo e pouco fraterno para defender a verdade do Evangelho (ver 1Cor; 2Cor 10; 12,11-18; Fl 3,2; Gl 1,6-10).

O apóstolo Paulo catequiza com a palavra e com a vida, anunciando “o Cristo crucificado, escândalo para os judeus e loucura para os pagãos” (1Cor 1,23). Esta é também a nossa tarefa: proclamar o Cristo crucificado-ressuscitado, que continua sendo motivo de escândalo e sinal de loucura para muita gente que nos ouve e conhece.

Pe. Videlson Teles de Meneses
Assessor Nacional da Comissão Episcopal Pastoral
para a Animação Bíblico-Catequética

Artigos similares

Quaresma

17/02/2010

Tudo é de Deus

20/09/2017

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This