Quarta-feira de Cinzas

Hoje começa a Quaresma. Tempo especial do Ano Litúrgico que nos leva à celebração da Páscoa da Ressurreição do Senhor. É especial porque nos exorta à conversão de nossa vida. Sabemos como é fácil entrar em nossa vida  a rotina de não nos examinarmos e não progredirmos em qualidade de vida cristã.

Há uma referência que está ao nosso alcance: a pessoa de Jesus Cristo, o evangelho do Pai, que ele não apenas pregou mas testemunhou com sua vida. Durante toda a Quaresma, ouviremos a exortação: “Hoje, não fecheis o vosso coração mas ouvi a voz do Senhor!”

O papa Bento XVI nos sugere em sua mensagem para a Quaresma deste ano o texto de Paulo aos Romanos 3,21-22: “A justiça de Deus está manifestada mediante a fé em Jesus Cristo”. É o tema vasto da justiça que está também dentro do tema da Campanha da Fraternidade deste mesmo ano: “Economia e vida – Não podemos servir a Deus e ao dinheiro.”

Define-se a justiça, na linguagem comum “dar a cada um o que é seu.” Desde o século III entrou no Direito Romano. A definição não precisa em que consiste o “seu”, que deve ser assegurado a cada um. É bom ouvir o Papa: “Aquilo de que o homem mais precisa não lhe pode ser garantido por lei. Para gozar de uma existência em plenitude, precisa de algo mais íntimo que lhe pode ser concedido somente gratuitamente: poderíamos dizer que o homem vive daquele amor que só Deus lhe pode comunicar, tendo-o criado à sua imagem e semelhança. São certamente úteis e necessários os bens materiais – no fim de contas, o próprio Jesus se preocupou com a cura dos doentes, em matar a fome das multidões que o seguiam e certamente condena a indiferença que também hoje condena centenas de milhões de seres humanos à morte por falta de alimentos, de água e de medicamentos – , mas a justiça distributiva não restitui ao ser humano todo o “seu” que lhe é devido. Mais do que o pão, o homem de fato precisa de Deus”.

A injustiça provem do interior do coração dos homens donde saem os maus pensamentos (Marcos 7,14-15.20-21). Para além da questão imediata relativa ao alimento, podemos ver nas reações dos fariseus uma tentação permanente do homem: individuar a origem do mal numa causa exterior. Muitas das ideologias modernas, olhando bem, têm esse pressuposto: visto que a injustiça vem de fora, para que reine a justiça é suficiente remover as causas externas que impedem a sua atuação. Esta maneira de pensar, admoesta Jesus, é ingênua e míope. A injustiça, fruto do mal, não tem raízes exclusivamente externas, tem origem no coração do homem, onde se encontram os germes de uma misteriosa conivência com o mal. Aberto por natureza ao fluxo da partilha, adverte dentro de si uma força de gravidade estranha que o leva a dobrar-se sobre si mesmo, a afirmar-se acima e contra os outros: é o egoísmo, conseqüência do pecado original.”

No sentido bíblico, justiça significa a aceitação plena da vontade de Deus, e de outro lado, a equidade em relação ao próximo (cf. Êxodo 29,12-17), de maneira especial ao pobre, ao estrangeiro, ao órfão e à viúva (cf. Deuteronômio 10,18-19). Dar ao pobre, para o israelita nada mais é senão a retribuição que se deve a Deus, que teve piedade da miséria do seu povo.

Cristo é a justiça de Deus. A justiça de Cristo é antes de tudo a justiça quem vem da graça, onde não é o homem que repara, que cura a si mesmo e os outros. A“expiação” se verifica no “sangue” de Jesus. Não são os sacrifícios do homem a libertá-lo do peso de suas culpas, mas o gesto do amor de Deus que se abre até ao extremo, até assumir em si “a maldição” que toca ao homem, para lhe transmitir em troca  a “bênção” que toca a Deus (cf. Gálatas 3,13-14). Na justiça divina, profundamente diferente da justiça humana, Deus pagou por nós no seu Filho o preço do resgate, um preço exorbitante. Converter-se a Cristo e crer no evangelho, no fundo significa sair da ilusão da auto suficiência para descobrir e aceitar a própria indigência, indigência dos outros e de Deus, exigência do Seu perdão e da Sua amizade, e perdão gratuito de cada um ao próximo.

Cardeal Geraldo Majella Agnelo

Artigos similares

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This