Seminário da CRB sobre “Seguimento e Missão” destaca a caminhada da vida religiosa

“Seguimento e Missão: de olhos fixos em Jesus a luz da inserção”, este foi o tema do 2º Seminário da Vida Religiosa, promovido pela Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB), Regional Minas Gerais, no dia 28, em Belo Horizonte.

Segundo a assessora executiva da Regional, irmã Eudinea Costa de Oliveira, da Congregação das Irmãs Nossa Senhora Menina, o objetivo do seminário foi refletir, partilhar e celebrar a caminhada da Vida Religiosa.

Conhecido como seminário dos INTERES, teve a presença de formandos de todas as etapas de formação de diversas congregações, formadores e a equipe organizadora. Neste 2º Seminário contou com a participação de mais de 200 formandos.

missocontinentalaltevir“Com uma programação bastante intensa, realizou-se pela manhã a abertura, oração inicial, que teve por sinal, um espaço privilegiado, de modo que possibilitou aos participantes um verdadeiro mergulho na mística missionária, levando em conta os diversos rostos sofridos que se encontram nos porões da humanidade. E é para lá que o Evangelho de Jesus Cristo, tão valorizado durante a celebração, nos aponta, nos remete, quando nos colocamos na situação de seguidores de Jesus e abraçamos a missão que ele mesmo nos confiou”, destacou o assessor da Comissão Episcopal Pastoral para Ação Missionária e Cooperação Intereclesial da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, padre José Altevir.

Foi feita ainda uma análise do primeiro seminário ocorrido em 2009. Segundo o padre Altevir, a paixão de Jesus pelo Reino que nos leva à paixão pela humanidade. “Manter os ‘olhos fixos’ n’Ele é percorrer o mesmo caminho, com os mesmos sentimentos de Jesus, no compromisso e solidariedade com as pessoas mais sofridas e necessitadas, em suas lutas pela vida, numa entrega amorosa até poder dizer: ‘Ninguém me tira a vida, Eu a dou livremente’ (Jo 10, 18)”, disse.

De acordo com o assessor da CNBB, a Igreja necessita de um forte impulso que a impeça de se instalar na comodidade, no estancamento, na indiferença, à margem do sofrimento dos pobres do Continente (DAp 362).

Ao concluir, padre Altevir lembrou que a Igreja cresce, não por proselitismo, mas “por atração”. “Como Cristo ‘atrai tudo para si’ com a força do seu amor’ A Igreja ‘atrai’ quando vive em comunhão, pois os discípulos de Jesus serão reconhecidos se amarem uns aos outros como Ele nos amou” (DAp159), lembro.

Os participantes foram divididos em cinco oficinas: Vida Religiosa e Ecologia, Vida Religiosa e Juventude, Vida Religiosa e Profetismo, Vida Religiosa, comunidade e comunicação e Vida Religiosa e corporeidade. A primeira foi assessorada por um casal de leigos Ana Maria e José Luiz, as demais por religiosas e religiosos.

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This