Senadores criticam suspensão de programas religiosos pela EBC

A decisão do Conselho Curador da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) de suspender a veiculação de programas religiosos em suas emissoras de rádio e TV foi discutida hoje, 29, em uma audiência pública no Senado Federal. A reunião, requerida pelo senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), ocorreu na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT), do Senado.

A diretora-presidente da EBC, Tereza Cruvinel, participou da audiência, juntamente com o historiador Daniel Aarão Reis Filho, integrante do Conselho Curador da empresa.

Conforme a Resolução 02/2011, do conselho da EBC, os atuais programas religiosos veiculados pela empresa “não correspondem ao caráter plural do fenômeno religioso” no Brasil, “constituindo injustificadas preferências a religiões particulares”. Os programas afetados são de orientação católica ou evangélica.

O senador Marcelo Crivella criticou a postura da EBC em retirar os programas do ar. “A preocupação com a diversidade deve levar à acrescentar e não a retirar programas religiosos”, disse. Completando, o senador Anibal Diniz (PT-AC) afirmou que um Estado laico não é aquele que rejeita as religiões, mas o que abre portas para todos. “Tirar os programas do ar me parece repressão e intolerância”.

Já o senador Lindberg Farias Filho (PT-RJ), seguiu o mesmo tom. Segundo Lindberg, a laicidade do Estado não significa que ele seja anti-religioso, mas sim “garanta a liberdade religiosa”.

audienciapublicaebcO documento aprovado pelo Conselho Curador da EBC, também afirma que a EBC tem “caráter republicano laico” e reconhece “a importância fundamental e histórica e o caráter plural do fenômeno religioso” no Brasil. O documento esclarece ainda que “o fenômeno religioso deve continuar merecendo atenção” das TVs e rádios da EBC, porém “respeitando o critério da pluralidade máxima das vivências religiosas existentes no país”.

Com a decisão da EBC, a Secretaria Executiva do Conselho Curador retirou do ar dois programas católicos, “Santa Missa” e “Palavras de Vida” (no ar desde 1975), e o programa evangélico “Reencontro” (exibido desde 1972).

O bispo auxiliar do Rio de Janeiro, dom Paulo Cezar Costa, veio do Rio de Janeiro, para acompanhar a audiência. Segundo o bispo, a audiência foi “muito boa” e serviu para ratificar o pensamento da arquidiocese. “A audiência salientou o que já pensávamos, ou seja, a EBC confundiu a laicidade do Estado. Um Estado laico deve promover e ampliar o espaço dado a todo tipo de manifestação religiosa, ao contrário do que a EBC está fazendo, que é simplesmente retirar do ar”, ressaltou.

Tereza Cruvinel e Daniel Aarão Reis Filho disseram que os programas foram excluídos por ferir, no entendimento do Conselho, a diversidade religiosa do país. Segundo Aarão Reis, a transmissão dos programas católicos e evangélicos seria “ilegal, ilegítima e injusta”. Ele disse, no entanto, que há o objetivo de transmitir programas que abordem as religiões de forma a respeitar a diversidade da população brasileira.

O senador Edison Lobão Filho (PMDB-MA), que presidiu a audiência, disse que, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cerca de 90% da população brasileira é composta por católicos e evangélicos. “Do ponto de vista prático, se 90% estão representado em duas religiões, acho que programas de 30 anos não deveriam ser tirados do ar”, disse.

A assessoria jurídica da arquidiocese do Rio de Janeiro (RJ), sob os cuidados da advogada Claudine Milione Dutra, conseguiu no dia 20, uma liminar junto à Justiça Federal, em Brasília, para manter no ar a transmissão do programa “Santa Missa” na TV Brasil.

A resolução determina que não podem mais veicular programas religiosos as seguintes rádios: Rádio Nacional AM Brasília; Rádio Nacional FM Brasília; Rádio Nacional AM Rio de Janeiro; Rádio MEC AM Rio de Janeiro; Radio MEC AM Brasília; Rádio MEC FM Rio de Janeiro; Rádio Nacional do Alto Solimões; Rádio Nacional da Amazônia; e a Radioagência Nacional. Também ficam impedidas pela decisão a TV Brasil; a NBR; e a TV Brasil – Canal Integración, que reúne programação de países sul-americanos.

Curadoria

O Conselho Curador da EBC (de todos os seus canais) é composto por 22 membros: 15 representantes da sociedade civil, quatro do Governo Federal (ministros da Educação, Cultura, Ciência e Tecnologia e Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República), um da Câmara dos Deputados, um do Senado Federal e um funcionário da Empresa.

Clique aqui e veja quem são os membros do Conselho Curador da EBC.

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *

Share This