Conselho Permanente da CNBB reflete sobre as conjunturas sociopolítica e econômica e acolhe informe sobre os Sínodo dos Bispos

Os bispos, representantes de organismos do Povo de Deus, assessores e convidados se encontram na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Brasília, de 21 a 23 de novembro, para a última reunião do Conselho Permanente do ano.

Em vídeo, o arcebispo de Porto Alegre (RS) e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Jaime Spengler reforçou que o Conselho Permanente da CNBB é uma instância de coordenação abaixo apenas da Assembleia da instituição. “O Conselho Permanente tem a missão de avaliar e encaminhar as decisões tomadas pelos bispos brasileiros na Assembleia da CNBB”, disse.

Após a sessão de abertura, que contou com a presença do núncio apostólico do Brasil, dom Giambattista Diquattro, os membros do Conselho Permanente refletiram sobre as análises de conjuntura sociopolitica e eclesial. Elaborada pelo Grupo de Análise de Conjuntura da CNBB Padre Thierry Linard, a análise sociopolítica foi apresentada pelo bispo de Carolina (MA) e coordenador da equipe, dom Francisco Lima. A análise de conjuntura eclesial, sob responsabilidade do Instituto Nacional de Pastoral Padre Alberto Antoniazzi, foi apresentada pelo bispo auxiliar do Rio de Janeiro, dom Joel Portella.

Sínodo sobre a Sinodalidade

A sessão da tarde foi dedicada a uma partilha sobre o processo do Sínodo sobre a Sínodalidade, cuja primeira sessão da Igreja Universal aconteceu em outubro em Roma. O presidente da CNBB, dom Jaime Spengler, ressaltou alguns elementos que favoreceram a realização do encontro, entre os quais o retiro que precedeu a primeira sessão que assegurou um clima de oração e fraternidade do encontro. Os outros brasileiros que participaram do Sínodo também compartilharam suas percepções.

A programação seguiu com um informe do Comitê de Gestão da CNBB sobre as Campanhas para a Evangelização e da Fraternidade. O informe foi apresentado pelo ecônomo da CNBB, monsenhor Nereudo Freire Henrique. Ele destacou também que a CNBB vem buscando maior transparência e eficácia. Um exemplo, é que o orçamento de 2024 será gerenciado por centro de custos ou unidades. Por exemplo, o que é gasto cada departamento e setor. 

Outros dois informes foram dados sobre o processo de articulação brasileiro da “Economia de Clara e Francisco” e o trabalho que desenvolve a Rede Eclesial Platina. No final do dia, os bispos tiveram um momento para uma reunião reservada e a celebração eucarística às 19h.

Tags:

leia também