Experiências da Igreja mostram que é mais vantajoso recuperar dependentes químicos

A Igreja Católica tem compromisso com a superação da dependência química e recuperação dos vínculos familiares e sociais de pessoas que tem envolvimento com drogas. Esse compromisso é realizado no acolhimento, no cuidado e na oferta de oportunidade de vida nova através da espiritualidade, do trabalho e da vida de comunidade.

Recorde algumas das experiências da Igreja Católica no Brasil que revelam ser mais vantajoso recuperar os dependentes químicos que descriminalizar ou liberar o uso de drogas no país.

 

1. PASTORAL DA SOBRIEDADE

Aprovada pelos bispos do Brasil durante a 36ª Assembleia Geral da CNBB, em 1998, foi criada para atuar em cinco frentes: prevenção, intervenção, reinserção familiar e social e atuação política. A partir do 12 passos da Pastoral da Sobriedade, fundamentados e baseados no Evangelho e na doutrina da Igreja o trabalho alcança dependentes e seus familiares.

Conheça mais sobre o trabalho da Pastoral da Sobriedade. 

2. FAZENDA ESPERANÇA

Nascida no contexto da Obra Social Nossa Senhora da Glória, em Guaratinguetá (SP), a Fazenda da Esperança é uma comunidade terapêutica criada em 1983. Suas principais atividades são a prevenção ao uso de drogas, o atendimento aos dependentes químicos e a reinserção social, fortalecendo os vínculos familiares dos acolhidos.

O trabalho de acolhimento é baseado na espiritualidade, trabalho e convivência. Só em 2020, atendeu 8397 pessoas nas 102 fazendas espalhadas pelo país.

Conheça mais o trabalho da Fazenda da Esperança

3. MISSÃO BELÉM

Mais de 80 mil pessoas foram acolhidas pela missão que foi fundada em 2005 na arquidiocese de São Paulo (SP). Nela, ex-irmãos de rua restaurados se tornam missionários que ajudam a resgatar mais irmãos!

 

Não à descriminalização do uso de drogas

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) reiterou, em agosto do ano passado, a sua posição contra a descriminalização do uso das drogas, expressa pela instituição em nota publicada em 26 de agosto de 2015. Na nota citada, a CNBB conclama o Estado e o povo brasileiro à necessária lucidez no trato deste tema tão grave para a sociedade.

Para a Conferência, o uso indevido de drogas interfere gravemente na estrutura familiar e social, além de constar entre as causas de inúmeras doenças, de invalidez física e mental e de afastamento da vida social.

 

Leia também

FRENTE A EMINENTE VOTAÇÃO NO STF, CNBB REITERA SUA POSIÇÃO CONTRÁRIA À DESCRIMINALIZAÇÃO DO USO DE DROGAS

 

 

SOBRIEDADE E PAZ – artigo de Dom Fernando Rifan

 

 

Tags:

leia também