Missão Ad Gentes: como atender ao chamado missionário além-fronteiras

Em sua mensagem para o Dia Mundial das Missões deste ano, o papa Francisco afirma ser este mês de outubro, o Mês Missionário, uma nova oportunidade para que os cristãos, em particular os jovens, tornem-se “discípulos missionários cada vez mais apaixonados por Jesus e pela sua missão, até os confins da terra”. E para atender ao chamado que surge dessa paixão por Jesus, é preciso preparação. O secretário executivo do Centro Cultural Missionário (CCM), padre Jaime Luiz Gusberti, aponta alguns cuidados e requisitos para assumir a missão além-fronteiras, que recebe o nome de Missão Ad Gentes.

“Quem é chamado à missão são todos os cristãos leigos e leigas que vivem sua fé, que já tem um engajamento na comunidade eclesial. E esta missão ad gentes não é avulsa, não para alguém que acorda de manhã e diz ‘eu vou para a missão’. Tem toda uma caminhada”, explica.

Padre Jaime Luiz Gusberti | Foto: CNBB/Matheus de Sousa

Atender ao chamado missionário requer que a pessoa esteja inserida na vida de sua comunidade, paroquia ou dioceses. Padre Jaime também chama atenção que a missão ad gentes é muito especifica no que diz respeito de quem envia e de quem acolhe: “Tem que haver uma combinação entre a diocese que envia e a diocese que acolhe”.

Alguns aspectos importantes são essenciais para a missão ad gentes. Eles dizem respeito à postura que o missionário deve ter em relação à missão e aos objetivos de servir e evangelizar em outro local. A pessoa deve ter um estilo de vida e ser um testemunho, segundo padre Jaime.

 

Confira alguns passos indicados por padre Jaime Gusberti a respeito da Missão Ad Gentes:

  1. Quem atende ao chamado missionário deve estar engajado na vida da comunidade e participar dos Conselhos Missionários (paroquial, diocesano, regionais, etc);
  2. O padre, as lideranças e o bispo diocesano devem conhecer a pessoa e seu desejo de sair em missão;
  3. A pessoa deve ter sensibilidade muito grande pelos problemas sociais, como a Igreja que faz a opção pelos pobres, que lembre que o papa Francisco nos desafia para uma Igreja em saída;
  4. É importante fazer as atividades deste Mês Missionário, como a novena missionária, e estar por dentro e aprofundar a respeito do Mês Missionário Extraordinário que acontecerá em 2019;
  5. Quanto ao envio à missão, deve ter profunda comunhão com a Igreja local e a Igreja que acolhe;
  6. O missionário deve ter um estilo de vida de fé, de amor, de uma paixão por Jesus, mas simultaneamente uma paixão pelo povo.

    Dom Bernardo Johannes Bahlmann envia jovem ao Haiti

  7. O missionário deve saber escutar: que não vá para a missão com o objetivo de ensinar, ser um professor, mas, antes de tudo, ser alguém que escuta o povo;
  8. O missionário deve saber respeitar a cultura daquele povo que o acolhe;
  9. O missionário deve saber se inserir na vida daquela Igreja, no seu plano de Pastoral. “Não é ir com o pacote pronto do Brasil, tem que ter a sensibilidade de respeitar a caminhada da Igreja que acolhe”;
  10. O missionário deve ser capaz de inserir-se na caminhada daquele povo e inculturar-se;
  11. Para isso, é preciso aprender a língua daquele povo. “Não dá para ir em missão num outro país e querer falar Português, tem que falar a língua daquele povo, entrar na vida daquele povo, comunicar-se com a língua que eles se comunicam”;
  12. O missionário deve saber caminhar com o povo: amar aquele povo, conhecer a história, os passos do país, as alegrias e sofrimentos, guerras, esperanças, questão política, econômica, social, religiosa, missionária… “Tem que ler sobre o que é o país, não pode ir como aventureiro”.

O curso para a missão Ad Gentes
O Centro Cultural Missionário oferece um curso de preparação para a missão Ad Gentes, em parceria com a Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB) e a Comissão Episcopal Pastoral para Ação Missionária e a Cooperação Intereclesial da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Padre Jaime explica que o curso é intensivo, com atividades de manhã, de tarde e de noite. Também destaca a experiência de vida comunitária proposta e primada pela casa de formação. “Se um missionário não é capaz de viver a vida comunitária, vem e se isola, vai ter inúmeras dificuldades de viver na missão, que é desafiadora e requer que se viva em comunidade”, alerta.

São dez módulos sobre diferentes dimensões da vida missionária com os objetivos de aprofundar as motivações pessoais, a própria compreensão da missão, a visão dos desafios missionários, os fundamentos bíblicos e teológicos; fornecer aos participantes referenciais essenciais teóricos e práticos para a ação missionária, recorrendo a vários tipos de mediações interdisciplinares; e proporcionar, através do estudo, da reflexão e do debate, momentos de discernimento participativo, de revigoramento espiritual e de atualização sobre os caminhos da Igreja missionária.

“O objetivo é oportunizar a quem vem um conhecimento geral do que seja a missão. O curso tem esse formato porque nós entendemos que ser missionário e missionária requer também ter um conteúdo essencial”, afirma o secretário executivo do CCM.

Padre Jaime ainda destaca que os formadores despertam o gosto sobre as dimensões estudadas para que os missionários continuem aprofundando os temas em sua vida. “Quem vem, vai receber elementos de como ele deve viver e entrar no jardim do outro, isto é, na casa do outro, na missão. São elementos que a gente oportuniza para que possa viver com mais serenidade, com mais tranquilidade a missão ad gentes”, sublinha.

O próximo curso Ad Gentes do CCM acontecerá de 10 de novembro a 6 de dezembro de 2019, no próximo ano, um bom tempo para se preparar até lá. Saiba mais.

Share This