Dom Reginaldo Andrietta
Bispo de Jales (SP)

 

A palavra “páscoa” deriva do hebraico, Pessach, que significa “passagem”. Ela se refere, originalmente, à páscoa judaica, celebrada como libertação da escravidão no Egito. A Páscoa cristã, celebrada como ressurreição de Cristo, significa libertação de todas as escravidões, inclusive da morte. A ressurreição de Cristo provou que Deus não abandona a humanidade a condições opressivas de existência. Ele gera vida onde existe morte.  

Ao celebrarmos a Páscoa de Cristo, reafirmamos que ele é vencedor do pecado e da morte, assumimos com ele a condição de ressuscitados (cf. Cl 3,1), tornando-nos com ele novas criaturas, comprometidas em preservar a vida de toda a criação, particularmente a vida humana, que neste país tem sido banalizada: 125 milhões de pessoas estão sob condições de insegurança alimentar, 33 milhões das quais estão submetidas ao flagelo da fome. 

Essa mazela gerada por uma economia que concentra riquezas e gera miséria à maioria da população, agravou-se nos últimos anos, com a redução de investimentos sociais. A mortalidade infantil cresceu. Trabalhos em condições precárias, até mesmo análogas à escravidão se proliferaram. Serviços públicos foram sucateados. Indígenas, afrodescendentes e outros grupos vulneráveis foram vitimados. A violência disseminou-se. 

Em meio a esses problemas, é possível enxergar sinais pascais? Sim, por exemplo, ações impactantes em diversas áreas da sociedade, realizadas em prol da segurança alimentar e nutricional. Muitas organizações de trabalhadores e trabalhadoras rurais estão produzindo organicamente, alimentos de qualidade, e comercializando-os de modo cooperativo. Este ano, o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSEA) foi recriado. 

Neste ano, também, a Igreja no Brasil, realiza sua Campanha da Fraternidade sobre a fome. Seu lema, “Dai-lhes vós mesmos de comer!” (Mt 14,16), traduz bem seu objetivo de sensibilizar a sociedade brasileira sobre a realidade da insegurança alimentar que afeta mais da metade da população deste país e mobilizá-la, à luz do Evangelho, para eliminar as causas desse problema, por meio de ações que responsabilizam a todos e todas. 

Nessas e em muitas outras iniciativas, vemos sinais da presença e da ação libertadora de Deus, que “faz novas todas as coisas” (cf. Ap 21,5), “levantando os pobres do pó” que se encontram (cf. Sl 113,7) e encorajando-os a assumirem coletivamente a luta por uma nova sociedade e por nossa “Casa Comum”,simbolizadas pela terra que mana leite e mel (cf. Ex 33,3) e pelo “novo céu e a nova terra”, anunciados no livro do Apocalipse (cf. Ap 21,1). 

Nossas ações libertadoras sendo assim, pascais, dão crédito à nossa fé, conforme afirma o Papa Francisco em sua Exortação Apostólica Alegria do Evangelho: “Uma fé autêntica, que nunca é cômoda nem individualista, comporta sempre um profundo desejo de mudar o mundo, transmitir valores e deixar a terra um pouco melhor depois da nossa passagem por ela”.Compreendamos, pois, o desafio de vivermos a Páscoa que celebramos. 

 

Tags:

leia também