Celebração do centenário das aparições de Nossa Senhora de Fátima em Portugal

O Santuário de Fátima, em Portugal, considerado um dos mais importantes do mundo e centro de propagação da devoção mariana celebra neste sábado (13), os 100 anos das aparições de Nossa Senhora de Fátima aos três pastorinhos.

A celebração do Jubileu do centenário contará com a presença do para Francisco que na ocasião presidirá a celebração de canonização dos pastorinhos, beatificados por João Paulo II em 2000.

“Os irmãos Francisco e Jacinta afirmaram ver a imagem de Nossa Senhora na Cova da Iria, local a 2,5 quilômetros da cidade de Fátima. As aparições de Nossa Senhora em Fátima começaram no dia 13 de maio de 1917.

Os irmãos Francisco e Jacinta. Foto: Divulgação

A canonização acontece após a aprovação, a 23 de março, de um milagre atribuído a Francisco e Jacinta, última etapa do processo, iniciado há 65 anos. O Vaticano aceitou como milagre a cura de uma criança brasileira, considerada inexplicável à luz da ciência atual. De acordo com informações publicadas no site oficial do Santuário Nacional de Fátima, o caso ocorreu a 3 de março de 2013, quando o pequeno Lucas com 5 anos, caiu de uma janela, de uma altura de quase 7 metros e três dias após, recebeu alta, não sendo constatado nenhum dano neurológico ou cognitivo.

Segundo a Rádio Vaticano, a criança “estava na casa do avô, brincando com a irmãzinha, quando caiu, por acidente, de uma janela de cerca de sete metros de altura, sofrendo um grave traumatismo crânio encefálico, com a perda de material cerebral”. Depois de transportada “ao hospital em coma, foi operada” e os médicos disseram que, “caso sobrevivesse, viveria em estado vegetativo ou, no máximo, com graves deficiências cognitivas”. No entanto, dias depois uma equipa médica deu um “parecer positivo unânime sobre o caso, como ‘cura inexplicável do ponto de vista científico’”.

No contexto dos 100 anos das aparições de Nossa Senhora, o Papa Francisco concedeu ao Santuário de Fátima um Ano Jubilar, com indulgência plenária, entre o dia 27 de novembro de 2016 e 26 de novembro de 2017.

De acordo com o Santuário de Fátima, a indulgência plenária do jubileu pode ser concedida a quem visitar em oração o recinto da Cova da Iria, pela veneração de uma imagem de Nossa Senhora de Fátima ou aos idosos ou doentes que se unirem “espiritualmente às celebrações jubilares”.

O documento publicado pela página da internet do Santuário de Fátima refere que “para obter a indulgência plenária, os fiéis, verdadeiramente penitentes e animados de caridade, devem cumprir ritualmente as seguintes condições: confissão sacramental, comunhão eucarística e oração pelas intenções do Santo Padre”.

A indulgência é definida no Código de Direito Canónico (cf. cân. 992) e no Catecismo da Igreja Católica (n. 1471) como “a remissão, perante Deus, da pena temporal devida aos pecados cuja culpa já foi apagada; remissão que o fiel devidamente disposto obtém em determinadas condições pela ação da Igreja”.

Cerca de 45.000 peregrinos de 51 países vão estar no Santuário de Fátima durante a visita do Papa, neste final de semana, de acordo com dados do Serviço de Peregrinos.

O Milagre

Em depoimento, no Santuário de Fátima, nesta quinta-feira (11), João Batista, o pai do jovem Lucas, contou como foi pedir a intercessão de Nossa Senhora e dos Pastorinhos no momento do incidente.

A postuladora da causa, Ir. Ângela Coelho e os pais do menino, João Batista, Lucila Yurie. Foto: Santuário de Fátima

“Começamos a rezar a Jesus e a Nossa Senhora de Fátima, a quem temos muita devoção. No dia seguinte ligamos para o Carmelo de Campo Mourão, pedindo às irmãs que rezassem pelo menino. A irmã que recebeu o telefonema não passou o recado para a comunidade”, contou, indicando que a mensagem só foi passada à comunidade no dia seguinte.

“Uma irmã correu para as relíquias dos Beatos Francisco e Jacinta, que estavam junto do Sacrário e sentiu esse impulso de oração: “Pastorinhos, salvem este menino, que é uma criança como vocês”. Conseguiu convencer toda a comunidade a rezar apenas com a intercessão dos Pastorinhos”, relatou.

“Assim fizeram. Da mesma forma todos nós, na família, começamos a rezar aos Pastorinhos e, dois dias depois, no dia 9 de março o Lucas acordou, bem, e começou a falar, perguntado pela sua irmãzinha. No dia 11 saiu da UTI e dia 15 teve alta”, disse João Batista.

Uma cura, referiu, para a qual os médicos, mesmo os não-crentes, não conseguem encontrar explicação. A criança está completamente bem, “sem nenhum sintoma ou sequela”: “O que o Lucas era antes do acidente ele o é agora: sua inteligência, seu caráter, é tudo igual”.

Texto completo do testemunho dos pais de Lucas:

Boa tarde.

Meu nome é João Batista. Esta é a minha esposa, Lucila Yurie.

No dia 3 de março de 2013, pelas 20h, o nosso filho Lucas, que estava a brincar com a sua irmãzinha Eduarda, caiu de uma janela, de uma altura de 6.50 metros. Tinha 5 anos.

Bateu com a cabeça no chão e fez um traumatismo craniano muito grave, com perda de tecido cerebral. Foi assistido na nossa cidade, em Juranda, e dada a gravidade do seu quadro clínico, foi transferido para o hospital de Campo Mourão, no Paraná.

O percurso demorou quase uma hora. Chegou em coma muito grave. Teve duas paragens cardíacas e foi operado de urgência. Os médicos diziam que tinha poucas probabilidades de sobreviver.

Começamos a rezar a Jesus e a Nossa Senhora de Fátima, a quem temos muita devoção. No dia seguinte ligamos para o Carmelo de Campo Mourão, pedindo às irmãs que rezassem pelo menino. A irmã que recebeu o telefonema não passou o recado para a comunidade. Estavam na hora do silêncio e ela pensou: “O menino vai morrer. Vou rezar pela família”.

Os dias passavam e o Lucas estava piorando. No dia 6 de março os médicos pensaram na transferência para outro hospital, uma vez que nem havia os cuidados necessários para a sua idade. Disseram-nos que as possibilidades de o menino sobreviver eram baixas e que se sobrevivesse teria uma recuperação muito demorada ficando certamente com graves deficiências cognitivas ou mesmo em estado vegetativo.

No dia 7 voltamos a telefonar ao Carmelo. Nesse dia, a irmã transmitiu o recado à comunidade. Uma irmã correu para as relíquias dos Beatos Francisco e Jacinta, que estavam junto do Sacrário e sentiu esse impulso de oração: “Pastorinhos, salvem este menino, que é uma criança como vocês”. Conseguiu convencer toda a comunidade a rezar apenas com a intercessão dos Pastorinhos.

Assim fizeram. Da mesma forma todos nós, na família, começamos a rezar aos Pastorinhos e, dois dias depois, no dia 9 de março o Lucas acordou, bem, e começou a falar, perguntado pela sua irmãzinha. No dia 11 saiu da UTI e dia 15 teve alta.

Está completamente bem, sem nenhum sintoma ou sequela. O que o Lucas era antes do acidente ele o é agora: sua inteligência, seu caráter, é tudo igual. Os médicos, incluindo alguns não crentes, disseram não ter explicação para esta recuperação.

Queremos agradecer aos profissionais de saúde que acompanharam o Lucas, bem como à Postulação do Francisco e Jacinta Marto na pessoa da Irmã Ângela, por todo o cuidado prestado durante todo este processo até canonização.

Agradecemos também ao Santuário de Fátima pelo convite para este momento de graça. No entanto, não podemos deixar de agradecer a todos aqueles que rezaram pelo Lucas.

Damos graças a Deus pela cura do Lucas e sabemos com toda a fé do nosso coração, que foi obtido este milagre pelos Pastorinhos Francisco e Jacinta.

Sentimos uma imensa alegria por ser este o milagre que os leva à canonização, mas sobretudo sentimos a bênção da amizade destas duas crianças, que ajudaram o nosso menino e agora ajudam a nossa família.

Com informações e fotos da Rádio vaticano, Agência Ecclesia e Santuário Nacional de Fátima em Portugal.
Foto: Foto Lusa, Papa Francisco em Fátima

 

Share This